Concordata pode custar venda da sede da GM em Detroit

Uma eventual decisão da empresa em abandonar Detroit pode representar outro golpe para a economia de uma região já prejudicada pela recuperação judicial da Chrysler e pelo declínio acentuado na produção de automóveis

Anac propõe tornar mais rigorosas regras de atendimento ao passageiro de transporte aéreo
Fundo vai beneficiar trabalhadores do Porto de Itajaí atingidos pela chuva
Helibras investe R$ 420 milhões no Sul de Minas

A General Motors avalia transferir sua sede de Detroit, vender fábricas nos Estados Unidos e renegociar plano de restruturação com o principal sindicato da empresa, afirmou Fritz Henderson, presidente-executivo da montadora, para quem existe a possibilidade de perdido de concordata em 1º de junho.

“É mais provável que nós precisaremos executar nossas metas sob um pedido de proteção contra falência”, declarou Henderson a repórteres por telefone. “Ainda há uma chance para que isso seja feito fora do tribunal.”

Uma eventual decisão da empresa em abandonar Detroit pode representar outro golpe para a economia de uma região já prejudicada pela recuperação judicial da Chrysler e pelo declínio acentuado na produção de automóveis.

A GM comprou seu edifício-sede em Detroit, conhecido como Renaissance Center, por US$ 625 milhões. A montadora centenária está baseada na cidade norte-americana desde 1996.

“Conforme observamos a estrutura, os negócios, estamos de olho em tudo, particularmente enquanto encolhemos”, disse Henderson. “Neste ponto, eu não tenho nada a comentar. Nós não temos nenhum plano para isso, mas se nós fizermos será motivado por lógica de negócios, o que seria eficiência de custos e rapidez.”

Apoiada pela força-tarefa do governo norte-americano para o setor, a GM cortará 21 mil empregos em fábricas nos EUA. Além disso, a empresa pretende reduzir em 40% o número de concessionárias, atualmente cerca de 6.200 nos EUA, até o final do ano.

Concordata por paísHenderson disse que está avaliando a possibilidade de pedir concordata “país por país”, disse Henderson.

A Alemanha deverá oferecer garantias de empréstimos para ajudar a GM a vender sua subsidiária Opel no caso de a montadora norte-americana vir efetivamente a pedir concordata,

A proposta do ministro da Economia alemão, Karl-Theodor zu Guttenberg, será adotada caso a venda da Opel for iminente, disse Felix Probst, porta-voz do ministério, por telefone hoje de Berlim. Uma curadoria assumiria temporariamente a direção da Opel e o governo alemão deverá avalizar os empréstimos necessários para garantir a solvência da empresa, disse ele.

A GM espera ter uma “definição” sobre a empresa com a qual a Opel firmará parceria até o fim deste mês, disse seu principal executivo, Fritz Henderson, em teleconferência realizada hoje. Qualquer investidor na Opel terá de ser considerado “aceitável” pelo governo alemão, devido à necessidade de financiamento.

A GM está tentando reduzir US$ 1,2 bilhão em custos e assegurar ajuda europeia para manter a subsidiária em atividade independentemente das operações da empresa nos Estados Unidos.

A General Motors Corp informou ontem que estaria interessada em manter uma participação minoritária na reestruturação de suas operações europeias e tem planos para um acordo de venda da divisão até o final do mês.

“Estamos conversando com diversos compradores com o objetivo de pelo menos formar uma ideia do possível acordo”, afirmou Henderson em uma teleconferência, sobre suas operações europeias. “E nosso objetivo é fazê-lo um pouco antes do final do mês.”

A montadora italiana Fiat , que já comprou uma participação na Chrysler, tem surgido como um dos principais compradores em potencial das operações europeias da GM. A Magna International também tem interesse pela Opel.

A GM Europa já afirmou que terá de cortar US$ 1,2 bilhão para voltar a lucrar com a Opel até 2011. Também informou que precisará de uma ajuda governamental de € 3,3 bilhões

Fritz se recusou a comentar sobre o futuro da Vauxhall ou se as operações latino-americanas da GM estariam incluídas em uma venda da divisão europeia. “Nossos negócios na América Latina têm contribuído solidamente nos últimos anos. É um negócio que conhecemos bem com ótimos resultados.”

COMMENTS