General Motors se dividirá e fatia “ruim” pedirá concordata

Fonte próxima da empresa disse que a GM está em uma intensa e determinada preparação para um possível pedido de concordata. Um plano para dividir a empresa, em uma nova companhia formada por unidades de maior êxito e uma velha empresa com os negócios menos rentáveis, vem sendo acelerado e é visto como a melhor configuração para o futuro

Crise muda geografia das exportações brasileiras
Aviação: Serra gaúcha luta por um novo aeroporto para aviões cargueiros
TAM se destaca entre empresas do setor aéreo

As ações da General Motors (GM) despencaram ontem na Bolsa de Nova York depois de rumores de que a montadora já estaria preparando o pedido de concordata. Os papéis desabaram 11,89%.

Fonte próxima da empresa disse que a GM está em uma intensa e determinada preparação para um possível pedido de concordata. Um plano para dividir a empresa, em uma nova companhia formada por unidades de maior êxito e uma velha empresa com os negócios menos rentáveis, vem sendo acelerado e é visto como a melhor configuração para o futuro, segundo outra fonte.

Fritz Henderson, presidente-executivo da GM, já disse que a empresa prefere se reestruturar fora da Justiça, mas que pode recorrer a ela se necessário. Já o presidente norte-americano Barack Obama defendeu uma concordata controlada para o grupo.

“Preferimos fazer isto sem recorrer ao processo de quebra”, disse Henderson ao canal NBC, no momento em que o primeiro fabricante norte-americano de carros aplica uma dolorosa reestruturação com o apoio financeiro do governo. “Mas seria prudente assegurar que estamos planejando [uma quebra sob controle judicial], se precisar recorrer a isso”, afirmou.

Timothy Geithner, secretário do Tesouro, disse que o governo de Barack Obama contempla todas as alternativas para a GM após a substituição semana passada de Rick Wagoner por Henderson por ordem da Casa Branca.

Henderson indicou que também existia a perspectiva de novas demissões e fechamento de fábricas, em momentos em que a GM luta por sobreviver e antecipa que no futuro só fabricará quatro marcas principais.

Em dezembro, o governo do então presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, anunciou um plano de ajuda a fabricantes de automóveis americanos que pode chegar a US$ 17,4 bilhões. O montante incluía General Motors e Chrysler. A Ford, em situação menos crítica, não está incluída nesse pacote.

O dinheiro é parte do pacote de US$ 700 bilhões de ajuda ao setor financeiro. Dos US$ 17,4 bilhões, US$ 13,4 bilhões seriam liberados em dezembro e janeiro. Os US$ 4 bilhões restantes ficaram condicionados a uma segunda parcela do pacote a ser aprovada pelo Congresso norte-americano.

No mês passado, a GM chegou a informar o Congresso que não precisaria da ajuda adicional de US$ 2 bilhões que havia requerido inicialmente.

Segundo a empresa, ela reuniu condições para protelar o recebimento da ajuda depois de ter aumentado o ritmo previsto de redução de custos e cortado alguns gastos que eram planejados para janeiro e fevereiro.

No mesmo período, a empresa conseguiu do governo dos EUA mais 30 dias para apresentar seu plano de reestruturação, no qual pediu US$ 16,6 bilhões.

Na tentativa de atender uma exigência do governo Obama para a produção de carros mais compactos e econômicos, a GM apresentou ontem o protótipo de um veículo de duas rodas elétrico desenvolvido junto com a fabricante Segway e denominado Puma, que as duas empresas elaboraram como resposta às necessidades de transporte urbano.

A Segway é a firma que desenvolveu e fabrica atualmente veículos elétricos de duas rodas que se mantêm em equilíbrio por eles mesmos graças a um sistema de giroscópios, já tendo lançado 60 mil unidades. Segundo a GM, o Puma permitirá que as pessoas “andem dentro das cidades com mais rapidez, segurança, limpeza e silêncio por um custo inferior”.

O nome nada tem a ver com o antigo carro esportivo brasileiro homônimo, mas sim com Mobilidade e Acessibilidade Pessoal Urbana (Puma, na sigla, em inglês).

As duas empresas disseram que o custo de operação do Puma deve ficar entre um terço e um quarto do que hoje custa um veículo convencional.

O Puma tem dois lugares, pode viajar a uma velocidade de até 56 km por hora e tem autonomia pequena, de apenas 56 km, antes de serem recarregadas as baterias, de íon-lítio, que alimentam dois motores elétricos.

Canadá

O governo do Canadá anunciou ontem medidas para dar garantias a quem comprar veículos de GM e Chrysler, e às empresas de autopeças, caso as duas montadoras se declarem em moratória. O anúncio foi feito pelo ministro da Indústria canadense, Tony Clement, para quem a situação do setor automotivo é “preocupante”. Para Clement, no entanto, o problema não afeta apenas as duas empresas. “GM e Chrysler são uma preocupação, mas estamos falando de todo um setor. Há 650 empresas no Canadá que fornecem peças a elas”, disse.

Link para a matéria

COMMENTS