Brasil deve importar do Paraguai até 500 mil toneladas de trigo até agosto

Apesar do aumento de 50% no volume da última colheita, de 6,02 milhões de toneladas, o país ainda está longe de conseguir atender o consumo interno

Programa da Conab atenderá mais 700 agricultores familiares no Paraná
Setor portuário e iniciativa privada
Vendas de motos crescem 36% no país

O Brasil deve importar entre 300 e 500 mil toneladas de trigo do Paraguai até agosto. Apesar do aumento de 50% no volume da última colheita, de 6,02 milhões de toneladas, o país ainda está longe de conseguir atender o consumo interno, estimado em 12,93 milhões de toneladas.

Segundo o diretor de Logística e Gestão Empresarial da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Silvio Porto, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pediu para que a estatal apóie a negociação. De acordo com o governo, essa transação comercial será boa para o Brasil, que precisa importar trigo, e também para o parceiro do Mercosul, que teria mais um estímulo à sua economia.

O exportador tradicional de trigo para o Brasil é a Argentina. Entretanto, com a forte quebra de safra causada principalmente pela maior seca das últimas décadas no país vizinho, o volume destinado às vendas para cá será bastante reduzido, de cerca de 4 milhões para 2 milhões de toneladas. Assim, os compradores brasileiros terão de acessar outros mercados para suprir essa redução.

Segundo o levantamento da safra de grãos anunciado hoje, a produção de trigo para o segundo semestre pode se reduzir para 5,3 milhões de toneladas, forçando ainda mais a importação de países como Canadá e Estados unidos, grandes produtores. A Rússia, apesar de acordos sanitários avançados, pode não ser um bom parceiro por conta da qualidade do trigo que produz.

Para se importar desses três países, entretanto, os moinhos têm que pagar uma tarifa externa comum (TEC) de 10%, o que acaba deixando o produto bem mais caro do que o argentino. O volume a ser importado do Paraguai, apesar de não ser em quantidade suficiente, é livre da tarifa, por estar dentro do Mercosul, e, segundo Porto, há informações de que seja de muito boa qualidade, tipo pão, do qual o Brasil é mais dependente.

Link para a matéria

COMMENTS