Logística esbarra em gargalos

O alerta é do presidente da Associação Nordestina de Logística (Anelog), Fernando Trigueiro, para quem a desinformação e falta de capacitação dos profissionais que operam na logística de portos, aeroportos e postos rodoviários

Governo regulamenta programa para modernização do transporte público
Serviços registra alta de R$ 501 bi em 2006
Odebrecht estreia em operação de estradas

Gerador de 16,6% do PIB (Produto Interno Bruto), mas com problemas que reduzem a marcha da competitividade de produtores, indústrias e empresas brasileiras e estancam a produtividade em até 60%, somente no modal rodoviário, o setor de transportes e logística do País ainda precisa quebrar as barreiras políticas e da desinformação para acelerar a economia do País. No Ceará, por exemplo, a selagem de uma nota fiscal e conseqüente liberação de determinadas cargas ainda demoram até 36 horas nos postos de fronteira.

O alerta é do presidente da Associação Nordestina de Logística (Anelog), Fernando Trigueiro, para quem a desinformação e falta de capacitação dos profissionais que operam na logística de portos, aeroportos e postos rodoviários, além da falta de infra-estrutura são apenas alguns dos gargalos enfrentados pelo setor. ´As empresas ainda não estão preparadas nem para receber cargas à noite´, acrescenta Trigueiro.

Em Fortaleza, onde esteve ontem, participando do lançamento da Transmodal Brasil — Feira de Transporte Intermodal e Logística que será realizada em Fortaleza, entre os dias seis e nove de julho próximo — Trigueiro conta que o País carece de R$ 290 bilhões para recuperar as rodovias e que o PAC do governo Federal prevê apenas R$ 33,3 bilhões até 2010, pouco mais de 10% da demanda.

´Os principais gargalos estão na (falta de) infra-estrutura dos modais´, disse ele, ao cobrar maior agilidade das obras da Ferrovia Transnordestina, ´quase paradas´. Precisamos fazer a integração dos modais rodoferroviário, aéreo, marítimo, fluvial e de dutos´, defendeu, lembrando de outro grande desafio, — desta vez para as empresas, — de investirem mais na gestão e capacitação da cadeia de suprimentos.

Feira de negócios – Nesse cenário, Feliciano Ramos, diretor da Montte Empreendimentos — empresa promotora da Transmodal Brasil — destacou a oportunidade do evento para a troca de experiências e de conhecimento, geração de negócios e relacionamento entre os profissionais e empresários que atuam no setor de logística. Segundo ele, a feira prevê reunir no Centro de Convenções, cerca de 120 expositores e atrair público de 12 mil pessoas nos quatro dias.

Reunindo em um mesmo ambiente, feira de negócios e seminários técnicos, a Transmodal projeta gerar R$ 25 milhões em novos negócios, com a venda de equipamentos e máquinas e comercialização de produtos e serviços.

COMMENTS