Serra diz que taxa básica de juros dificulta no enfrentamento da crise

Serra afirmou que cada país deve lidar com a crise como achar mais adequado, não há regra geral

Desconto em tarifa da Inframar amplia competitividade do Porto de Paranaguá
Toyota reduz em 53% produção mundial
Minas investe na recuperação de estrada

O governador de São Paulo, José Serra, criticou ontem (8) o Banco Central afirmando que o aumento da taxa básica de juros Selic dificulta o país no enfrentamento da crise financeira internacional.

Ele disse que o Brasil não deve seguir os mesmos passos dos outros países no combate às turbulências no mercado mundial.

“Acho que o Banco Central foi muito lento e muito imprudente este ano quando elevou os juros para as nuvens e megavalorizou o câmbio. Agora não adianta olhar para o que passou. A gente tem que olhar para frente e procurar uma saída para a situação, que acho perfeitamente exeqüível”, disse ao sair de uma audiência com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no Palácio do Planalto.

Questionado se o Brasil deve reduzir a taxa de juros a exemplo do que fizeram os bancos centrais dos Estados Unidos e de países europeus, Serra afirmou que cada país deve lidar com a crise como achar mais adequado, não há regra geral.

“Quando a economia vai bem, todos os países se parecem. Quando tem crise, é diferente em cada lugar. Não há uma receita geral para ser adotada. O Brasil tem que olhar o seu lado. Uma questão que complicou a situação do Brasil foi a política do Banco Central, com o maior juro do mundo, com o câmbio arrochado, exageradamente valorizado. É evidente que num momento de dificuldade traz problemas porque tende a forçar uma desvalorização da moeda muito acima da média mundial”, explicou, acrescentando que o governo deve agir com prudência.

O governador José Serra tratou com o presidente da concessão para a construção de um Ferroanel no estado. A obra vai permitir que o transporte de passageiros por trem, em São Paulo, passe dos 1,5 milhão de pessoas para 4 milhões até 2011, diariamente.

O Ferroanel está orçado em cerca de R$ 600 milhões e seria custeado pelas concessionárias privadas, o governo federal e o estadual.

Segundo o governador, Lula recebeu com boa vontade o pedido.

O governador disse que não conversou sobre as eleições municipais com o presidente Lula. Ele disse que trataram o assunto apenas com bom humor.

Mas ao ser indagado sobre as declarações do presidente Lula a aliados de que o PSDB, partido de Serra, o DEM e o PSB não se saíram bem no primeiro turno das eleições e perderam várias prefeituras, o governador respondeu: “Eu não sabia que ele tinha dito isso, senão perguntaria quais [cidades]”. (Carolina Pimentel –
Repórter da Agência Brasil)

Link para a matéria

COMMENTS