Mercado de carros crescerá 4% em 2009

Segundo a previsão da Federação Nacional de Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), serão comercializados cerca de 2,78 milhões de automóveis e comerciais leves em 2009

Governo investe R$ 10 milhões na restauração de rodovias no Sudoeste
Prorrogação dos pedágios será debatida em audiência pública
Preço do diesel tem redução, mas não afeta valor do frete

O mercado brasileiro crescerá cerca de 4% neste ano, mesmo com a crise financeira que impactou as vendas de veículos nos últimos meses. Segundo a previsão da Federação Nacional de Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), serão comercializados cerca de 2,78 milhões de automóveis e comerciais leves em 2009, ante vendas acumuladas de 2,67 milhões de veículos em 2008.

O presidente da entidade, Sérgio Reze, no entanto, assinala que este número deverá ser revisado, pois, em março o governo volta a cobrar o IPI dos carros até 2 mil cilindradas. “É evidente que esses números terão de ser reavaliados, até porque a renúncia fiscal do governo vai até 31 de março”, disse Reze. Segundo ele, o governo está indicando que agirá para deter desemprego e queda do Produto Interno Bruto, “apesar de não ter demonstrado interesse em prolongar a desoneração.”

“Mas, mesmo se a projeção de crescimento de 4% não se confirmar e o mercado ficar no mesmo patamar que 2008, será ótimo. Vender quase 3 milhões de veículos é extremamente positivo, até porque as montadoras também devem se preparar para o aumento da demanda e isso leva tempo”, ressaltou Reze.

Reze afirmou que o Brasil está longe de ter mercado madurado, como o japonês, onde as vendas estão saturadas. Para ele, o Brasil só esgotará seu crescimento em 15 ou 20 anos. “As vendas podem cair agora, mas certamente vão crescer. Temos um grande mercado inexplorado”, disse.

Segundo ele, as medidas para estimular as vendas de veículos no final do ano passado surtiram resultado. Em dezembro foram comercializados 183,9 mil unidades crescimento de 10,61% em relação ao mês de novembro, quando foram injetados na economia R$ 8 bilhões para ativar os créditos bancários. Já em relação a dezembro de 2007, as vendas de automóveis e comerciais leves caíram 20,49%, passando de 231,31 mil para 183,91 mil unidades.

“O resultado foi muito melhor do que podíamos imaginar há 90 dias. A queda começou entre outubro e novembro e a ameaça era de que dezembro fosse pior que novembro. Esperávamos uma previsão de queda de 19% em 2009 em relação a 2008 e de 7% em relação a 2007”, disse.

Reze afirmou ainda que com as vendas positivas de dezembro, as montadoras voltarão ao trabalho com força total. “Os estoques foram reduzidos significativamente nesses últimos 20 dias, quando começou a vigorar a redução do IPI. Aquele que pode está comprando”, disse o dirigente.

Entre as marcas, a Fiat fechou 2008 na liderança, com participação de mercado de 24,62%, seguida pela Volkswagen, com 21,91%. General Motors aparece em terceiro, com 20,54%, seguida pela Ford, com 9,74% das vendas de automóveis e comerciais leves.

Já entre os modelos que mais venderam no ano passado, o Gol da Volkswagen, continua na liderança com 32,56% do mercado. O segundo do ranking é o modelo da Fiat, o Palio, com 22,46.

Caminhões – Os dados divulgados pela Fenabrave indicam que nos caminhões a liderança em emplacamentos em 2008 coube à Mercedes-Benz, com 30,05% seguida pela Volkswagen, 29,88%. Os dados não batem com os divulgados preliminarmente no início do ano pela Volkswagen Caminhões e Ônibus. No anúncio feito pela empresa,a Volkswagen em 2008, nos caminhões acima de 3,5 toneladas surge como líder com 30,3% de participação, seguida pela Mercedes-Benz, com 29,9%.

Nos dados de atacado – que deverão ser divulgados pala Anfavea amanhã , a Mercedes também aparece como líder do mercado de caminhões em 2008, com 29,6% ¨de participação, seguida pela Volksagem com 29,3%. No mercado de ônibus, segundo dados divulgados ontem pela Fenabrave, a Mercedes em 2008 foi lider incontestável, com 46,04%, seguida pela Volkswagen, com 28,45%.

COMMENTS