Operação de Itapoá será antecipada

Com a destruição de berços pelas enchentes e assoreamento do rio, Santa Catarina está deixando de movimentar mais de 60 mil contêineres mensais principalmente de congelados, que estão sendo transferidos para outros portos, principalmente Paranaguá(PR)

Câmara aprova ampliação da Ferrovia Norte-Sul de SP até RS
Governo estende por dez dias prazo para empresários pagarem impostos
TNT Mercúrio compra 310 caminhões leves para renovar sua frota

A estréia do Grupo Battistella, com sede no Paraná, na área de logística, o Porto de Itapoá, litoral Norte de Santa Catarina, poderá ter sua operação antecipada em pelo menos seis meses – começaria a funcionar no final de 2009 – a pedido do governador de Santa Catarina, Luiz Henrique da Silveira, como conseqüência dos prejuízos trazidos pelas cheias do Rio Itajaí aos portos de Itajaí e Navegantes. A informação é de um dos diretores do grupo, Hildo Battistella, encarregado do projeto. Com a destruição de berços pelas enchentes e assoreamento do rio, Santa Catarina está deixando de movimentar mais de 60 mil contêineres mensais principalmente de congelados, que estão sendo transferidos para outros portos, principalmente Paranaguá(PR).

O Porto de Itapoá é uma associação entre o Grupo Battistella e a Hamburg Süd, uma das maiores empresas de navegação do mundo, para movimentar carga própria e de terceiros numa operação exclusiva de contêineres. O terceiro sócio é o fundo de investimentos Logística Brasil. O investimento é de R$ 320 milhões numa região com calado natural de 16 metros, o que permitirá o acesso de navios de grande calado e direto do alto-mar, sem a preocupação de manobras em canais, como ocorre nos outros portos catarinenses e, em especial, em Itajaí. O projeto prevê a construção de duas pontes que saem do pátio de contêineres e avançam 230 metros mar adentro até o píer onde estarão localizados os três berços de atracação que permitirão uma movimentação próxima a 350 mil contêineres anuais numa primeira etapa e de 1,1 milhão contêineres anuais com o projeto concluído.

“Nós estamos na fase de estudos da viabilidade da antecipação do cronograma. Com a construção e os desembolsos do BID [Banco Interamericano de Desenvolvimento] acredito que não teremos problemas. Temos agora de acertar a antecipação da chegada dos equipamentos com os fornecedores e a liberação destes pela Receita Federal e o tráfego com a Polícia Rodoviária Federal. E é preciso que a construção da rodovia de acesso e do linhão de eletricidade pela Celesc andem juntos”, disse Hildo Battistella. Segundo ele, “isso é possível porque há o interesse tanto do governo estadual como do federal para que o porto opere antes do programado”. Até amanhã o Tecon Santa Catarina terá listado todos os condicionantes para acelerar a programação da obra e haverá a decisão de antecipar o cronograma segundo o diretor do Grupo Battistella.

COMMENTS