Restrições e falta de infra-estrutura pressionam frete

Presidente da NTC&Logística reclama da infra-estrutura viária do País e desabafa: "Pensamos que o Brasil fosse virar um canteiro de obras com o PAC"

Chuva atrasa melhorias na BR-101
Boeing inicia obra de seu novo Centro de Entregas nos EUA
Produção de petróleo da Petrobras cresce 3,7% em setembro

As restrições à circulação de caminhões em áreas importantes das cidades de São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília, aliadas à falta de condições das estradas brasileiras têm causado grande pressão sobre os fretes. As informações são do presidente da NTC&Logística Flávio Benatti, em entrevista ao site de notícias UAI e à Folha Press.

Segundo a reportagem publicada hoje, outros fatores ainda pressionam os fretes, como a política da Petrobras de absorver parte do aumento do diesel, o que acarreta, segundo o jornal mineiro, na deficiência na infra-estrutura de estradas e ferrovias por todo o Brasil.

De acordo com a reportagem, os transportadores querem um reajuste de 6,88% no frete e os preços para entregas cobrados em sites de vendas pela internet já subiu. “A situação está muito grave. As empresas estão ficando mais seletivas com a qualidade da malha rodoviária. Faltam caminhões, mão-de-obra. E infra-estrutura é o grande entrave. Alguma coisa está sendo feita, mas de forma lenta. Esperávamos que o país fosse um canteiro de obras com o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), mas nada, disse Benatti.

Ainda segundo a matéria publicada pelo UAI, um problema ocorre nas regiões Norte e Nordeste: algumas empresas vêm se recusando a levar mercadorias do Sudeste para estas regiões por causa das deficiências nas estradas.

COMMENTS