Guia divulga ranking com as dez melhores rodovias do Brasil

Dentre os trechos mais bem avaliados, sete estão no Estado de São Paulo

JSL fica em 2º no Prêmio ILOS como a segunda melhor Prestadora de Serviços Logísticos
Ford Caminhões agracia distribuidores pelo atendimento pós-venda com prêmio PESO
Hamburg Süd marca presença na feira Fruit Logistica 2009 na Alemanha

O Guia Quatro Rodas, da Editora Abril, divulgou um ranking com as dez melhores rodovias do Brasil, segundo levantamento feito pela redação. Dentre os trechos mais bem avaliados sete estão no Estado de São Paulo, um no Rio Grande do Sul, um no Paraná e um na divisa entre Minas Gerais e o Rio de Janeiro.

As 10 melhores estradas do Brasil segundo o Guia Quatro Rodas:

1ª) SP-348 (Bandeirantes) – São Paulo-Cordeirópolis (SP) – Administrada pela AutoBAn, foi eleita pelo Guia Quatro Rodas a melhor rodovia do país (foto) pelo terceiro ano consecutivo. Alternativa para a movimentada Via Anhangüera, é exemplo de rodovia moderna e segura, com amplo canteiro central, telefone de emergência a cada quilômetro; os poucos postos de combustível são muito bem estruturados.

2ª) SP-160 (Imigrantes) – São Paulo-São Vicente (SP) – Para construir uma rodovia praticamente sem curvas, a concessionária Ecovias abusou da arrojada engenharia ao abrir túneis para preservar a Mata Atlântica e viadutos ao longo da serra do Mar. É a mais rápida e curta ligação entre a capital e o litoral, porém nos feriados prolongados formam-se grandes congestionamentos na praça de pedágio – um dos mais caros do país – e na chegada às cidades praianas.

3ª) SP-280 (Castello Branco) – São Paulo-Espírito Santo do Turvo (SP) – O movimento é tão intenso até Barueri (km 25) que foi preciso fazer pistas laterais, mas com pedágio na ida e na volta. Cuidado com a neblina freqüente em todo o percurso e vento lateral a partir de Boituva (km116). Domingos e feriados fica proibido o tráfego de caminhões entre Tatuí (km129) e a capital. É administrada por três concessionárias: Viaoeste, Colinas e SPVias.

4ª) SP-070 (Ayrton Senna/Carvalho Pinto) – São Paulo-Taubaté (SP) – Administrada pelo Dersa, concessionária controlada pelo Governo do Estado, serve de alternativa à sobrecarregada Via Dutra, sendo o melhor acesso da capital para o litoral norte, Vale do Paraíba e Campos do Jordão. Apresenta traçado moderno e seguro, mas poucos e estruturados postos de combustível..

5ª) SP-310 (Washington Luís) – Limeira-São José do Rio Preto (SP) – As concessionárias Centrovias e Triângulo do Sol administram a estrada que liga o final da Rodovia dos Bandeirantes com o norte do estado, atravessando importante região agropecuária. Cuidado com os fortes ventos laterais em todo o roteiro, sobretudo entre Araraquara (km 273) e Catanduva (km 382).

6ª) SP-330 (Anhangüera) – São Paulo-divisa SP/MG (SP) – O traçado antigo até Limeira é o mais movimentado. Nos 170 quilômetros seguintes, cuidado com freqüentes queimadas nos canaviais às margens da rodovia, até Ribeirão Preto. Faz parte do sistema Anhangüera-Bandeirantes, administrado pela AutoBAn.

7ª) BR-290 (Freeway) – Osório-Porto Alegre-Eldorado do Sul (RS) – Principal acesso da Capital ao litoral gaúcho, foi a primeira rodovia de pista dupla e pioneira administração por concessionária no estado. É a única no país com emissora de rádio exclusiva, basta sintonizar a FM 88,3.

8ª) BR-040 (Washington Luís) – Rio de Janeiro-divisa RJ/MG (RJ) – Administrada pela concessionária Concer, tem traçado sinuoso e sujeito a neblina em todo o percurso. Redobre a atenção nos 20 quilômetros da serra de Petrópolis, onde pode ocorrer queda de barreira.

9ª) SP-225 (Com. João Ribeiro de Barros/Engº. Paulo Nilo Romano) – Bauru-Itirapina (SP) – Com duplicação recém-concluída pela concessionária Centrovias, a moderna estrada bem no meio do estado passa por Jaú, capital do calçado feminino, e Brotas, capital do turismo aventura.

10ª) BR-277/BR-376 (Rodovia do Café) – Paranaguá-Curitiba-Ponta Grossa (PR) – Administrados pelas concessionárias RodoNorte e Ecovias. De março a setembro o tráfego de caminhões transportando soja para o porto de Paranaguá é tão intenso que chega a formar longas filas na rodovia. O tempo ganho na segura pista dupla compensa uma visita ao Parque Estadual de Vila Velha, à beira da estrada.

COMMENTS