​Mais de 80% das curvas perigosas em rodovias têm falhas de segurança, diz CNT

Placas ilegíveis, falta de proteção e geografia são os principais causadores de acidentes

Licenciamento de caminhões sobe 25,7% em abril, segundo Anfavea
Participação do Porto de Santos na balança comercial aumenta
ALL anuncia resultados obtidos de abril a junho

acidente

Em 84% dos trechos com curvas perigosas em rodovias brasileiras têm falhas que comprometem a segurança dos motoristas. Em 42% desses pontos não há placas legíveis nem defesas completas, proteção lateral para evitar saídas de pista. Outros 33% dos trechos têm somente as placas, mas sem a proteção lateral. Em 8,8% dos trechos há defesas completas, mas não há placas legíveis.

+ Emplacamento eletrônico começará a valer a partir de 1º de janeiro

Os dados são da Pesquisa CNT de Rodovias 2015, que analisou mais de 100 mil quilômetros de vias em todo o país. Em 35 mil quilômetros, foram identificadas curvas perigosas.

Segundo o diretor-executivo da entidade, Bruno Batista, os índices preocupam. “Isso mostra que nossos projetos viários são antigos. Lembrando que o número de veículos cresceu muito no Brasil. Sem a informação de que existe a curva perigosa e sem a proteção, no caso de o veículo não conseguir completar o trajeto, acaba contribuindo para o elevado número de acidentes no nosso país”, diz ele.

+ Até 2022, controle eletrônico de estabilidade será item de série em automóveis

Conforme a Pesquisa CNT, os acidentes em curvas perigosas normalmente são associados a velocidades superiores às permitidas pelas condições geométricas, pelo estado de conservação do pavimento, pelas baixas condições de visibilidade, pela sinalização deficiente ou pela ausência da proteção contínua.

COMMENTS