Metro-Shacman quer ser a 5ª do mercado brasileiro até 2019

Metro-Shacman quer ser a 5ª do mercado brasileiro até 2019

Montadora chinesa que está construindo fábrica em Tatuí (SP) passará a produzir no País a partir do segundo semestre de 2014

Volvo celebra 85 anos de fabricação de caminhões
Locamerica expande frota com 199 caminhões Mercedes-Benz
Porto de Paranaguá (PR) bate recorde de fluxo e sem formação de filas

shacman-caminhao-tt385-4x2

A montadora de caminhões Metro-Shacman está entrando no Brasil visando competir de igual para igual com as grandes marcas. O objetivo da chinesa é ser a quinta marca mais comercializada no País em 2019 e a terceira em 2024.

Para isso, a companhia está construindo uma unidade fabril em Tatuí (SP). O empreendimento envolve o investimento inicial de R$ 400 milhões. Já no segundo semestre do ano que vem, a empresa deverá dar início à produção brasileira. A previsão é de que, inicialmente, sejam produzidos 300 unidades até o fim de 2014. Já em 2015, a expectativa é de 1700, enquanto que em 2016, o volume alcance a marca dos 2500 veículos produzidos.

O local foi escolhido pela Metro-Shacman por estar em região que reúne a maioria dos fornecedores da indústria automobilística e de permitir fácil acesso aos modais rodoviário e aéreo, o que facilita a logística de produção e de distribuição dos veículos.

Outro fator que vem sendo trabalhado para o crescimento no mercado de caminhões é a rede de concessionárias. Apesar de o foco estipulado ser o mercado das Regiões Sul e Sudeste, a marca já conta com revendas no Mato Grosso, Paraná, São Paulo, Santa Catarina e Ceará.

O objetivo é nomear 18 novas concessionárias até o final de 2014, para a venda e assistência técnica dos veículos da marca no mercado brasileiro.

Desenvolvimento do produto

Por intermédio de parceria com empresas de autopeças, a engenharia da Metro-Shacman procedeu ao desenv olvimento do protótipo brasileiro do caminhão Shacman, com base na plataforma do veículo chinês, mas com conteúdo fornecido por fabricantes brasileiros que permite um índice de nacionalização superior a 65%, o que já enquadra o veículo fabricado no Finame.

Recentemente, a montadora recebeu habilitação definitiva do MDIC (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio) para ingressar ao programa Inovar-Auto.

Com isso, a companhia pode importar 2.500 caminhões, de 1/7 deste ano a 30/6 de 2014, divididos em 1.250 unidades a cada seis meses, isentos dos 30 pontos de IPI, conforme a legislação do Inovar-Auto.

Atualmente, a empresa importou para o Brasil 99 unidades, sendo que 25 já foram vendidas.

A linha de caminhões Shacman que é comercializada no mercado brasileiro é formada pelos seguintes modelos: TT 420 6×4, com motor Cummins de 6 cilindros ISM 11 P7, com potência de 420 cv e torque de 2.000 Nm; TT 385 6×4 e TT 385 4×2 , igualmente com motor Cummins ISM 11 P7, com 385 cv e torque de 1.825 Nm, e Shacman LT 385 6×4, com motor Cummins de 6 cilindros ISM 11 P7 em linha com potência de 385 cv e torque de 1.825 Nm. A cabine dos veículos é da MAN, modelo antecessor do TGX.

COMMENTS