Petrobras amplia programa de financiamento a fornecedores

Petrobras amplia programa de financiamento a fornecedores

Estatal flexibiliza condições para contratados como forma de viabilizar o seu plano de investimentos até 2020, com meta de triplicar a produção local de petróleo e gás natural, assim como elevar a disponibilidade de derivados no País

Petrobras bate recorde de processamento de petróleo no Brasil
Petrobras amplia investimento a R$ 415 bilhões e corta metas de produção em 10%
Projeto de Lei propõe isenção da Cide nos derivados de petróleo para o transporte de cargas

Com um plano de triplicar a produção de petróleo e gás natural no Brasil e, no reboque desse aumento, elevar a produção de derivados desses energéticos, a Petrobras anunciou mudanças em seu programa de incentivo aos fornecedores de bens e serviços, o Progredir, que incluirá três novos bancos aptos a oferecer financiamentos a empresas que fecharam contratos com a estatal.

Além disso, a companhia flexibilizou as regras para que essas instituições financeiras – que agora somam nove bancos – possam agilizar pedidos de financiamento e repassar recursos para os subfornecedores para acelerar o processo de fabricação ou aquisição de bens e serviços e atender a necessidade da petrolífera.

Uma segunda medida anunciada é a alteração do percentual de crédito que o fornecedor da Petrobras poderá transferir para seus próprios fornecedores, que na opinião dos executivos da estatal facilitará o que chamaram de fluxo de recursos. Hoje há a obrigatoriedade de se aplicar 50% no mínimo para os subfornecedores, percentual que foi baixado para 20% do contrato total.

Essas mudanças ocorrem um ano após o inicio do Programa Progredir. A presidente da empresa, Maria das Graças Foster, esteve em São Paulo para anunciar as medidas. Agora, as empresas que fecharem contratos de venda ou de serviços poderão recorrer a uma série de bancos para conseguir recursos e atender a companhia. Acabaram de aderir ao programa o Citibank, BicBanco e Banrisul. Já faziam parte o Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, Itaú, HSBC e Santander. Estes, responsáveis pela liberação de mais de R$ 2,3 bilhões em empréstimos a empresas contratadas pela Petrobras no ultimo ano em 500 operações de crédito.

Outra mudança que poderá abranger ainda mais o setor de cargas e de transportes é a perspectiva de que até o final do ano empresas contratadas pela Transpetro também poderão acessar essa linha de financiamento, pois a meta da Petrobras é de incluir todas as subsidiárias no Progredir.

“Até o final do ano todas as empresas que fazer parte do grupo Petrobras estarão no portal Progredir e, portanto, aptas a conceder esse benefício para os nossos fornecedores”, afirmou a presidente da Petrobras em coletiva realizada após a apresentação dos resultados do Progredir.

Com essas medidas todo o setor produção envolvido com a estatal deverá elevar os seus financiamentos para acelerar a produção ou a aquisição de equipamentos para atender a empresa. No setor naval especificamente, a promessa da empresa é de colocar em águas brasileiras 810 embarcações e equipamentos até o final dessa década. Esse é o plano da empresa apenas para o desenvolvimento da infraestrutura logística, e assim, viabilizar as operações da companhia para a exploração, principalmente do pré-sal. O valor de parte desse investimento deve ficar em US$ 4,26 bilhões ou quase R$ 8,5 bilhões até 2015. A média de investimentos no país deverá ficar em 65% pela necessidade de se utilizar o conteúdo nacional.

Segundo a estatal, em 2010, a companhia estava com 287 unidades, portanto, a previsão é de chegar a 2020 com mais 568 embarcações. O primeiro navio de grande porte, o João Cândido, construído no Estaleiro Atlântico Sul (EAS), atrasou dois anos e com isso se a empresa realmente alcançar essa meta a promessa é de acelerar os investimentos e a contratação de novos navios.

Participação

A Petrobras detalhou que após enviar o pedido pelo Portal Progredir, o financiamento tem sido obtido pelo fornecedor, em média, em sete dias úteis. No primeiro ano, segundo levantamento da empresa, 85% dos fornecedores que tentaram financiamento pelo Progredir obtiveram êxito. A redução média do custo financeiro relatada ficou entre 20%, mas houve casos em que a queda foi de até 50% com a avaliação de risco dos bancos. O valor médio dos empréstimos ficou em R$ 4,7 milhões. Do total de financiamentos, 48% deles estão na faixa entre R$ 1 milhão e R$ 10 milhões.

O Progredir tem uma relação bem próxima com o Programa de Mobilização da Indústria Nacional de Petróleo e Gás Natural (Prominp), até em função de ser mais um programa para incentivar a produção nacional. De acordo com Graça Foster é interessante para a empresa ter um nível de fornecimento alto no País para que exista a redução de custos da empresa, que não fica atrelada à variação cambial, bem como, ter mais agilidade no atendimento das demandas, principalmente as de urgência.

“Eu gosto de fazer uma analogia dessa situação com a compra de um carro. Imagina você com um carro importado e de repente quebra uma peça que impede o veículo de andar e você precisa esperar três meses para receber a peça e voltar a rodar… é a mesma coisa conosco, quando para a produção de uma plataforma por conta de uma peça que não é feita no Brasil”, comparou. “Para nós é importante termos uma gama enorme de fornecedores no Brasil e a Petrobras tem a capacidade de estimular a industria produtiva do setor de petróleo e gás aqui”, completou ela.

As empresas contratadas pela Petrobras agora terão seus contratos automaticamente cadastrados no www.progredir.petronect.com.br, que é o meio por onde acessam os bancos e não tem custo para a empresa.

COMMENTS