BR-163 receberá R$ 1,2 bi para duplicação de trecho no Mato Grosso

Desenhada na década de 70, estrada é conhecida como a "rodovia sem fim", devido a atrasos em obras que já custam R$ 2,7 bi

Governo proíbe caminhões grandes em rodovias federais durante feriados
Ministério Público do MT determina que ALL reduza fluxo em terminal
Noma lança opção inédita de tritrem

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) prepara para o segundo semestre o lançamento do edital de licitação para duplicar um trecho de 283 quilômetros (km) na BR-163, ligando Rondonópolis e Rosário Oeste, no Mato Grosso.

O percurso está orçado em R$ 1,188 bilhão e integra os investimentos da segunda versão do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2) para escoar a produção agrícola da Região Centro-Oeste.

A Delta Construções é uma das contratadas do Dnit na BR-163. A empreiteira envolvida no caso do empresário de jogos Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira , preso desde fevereiro, conclui em abril a duplicação de 8,5 km e a restauração de outros 27,5 km na Serra de São Vicente (MT). A construtora do empresário Fernando Cavendish recebe R$ 87 milhões pelas obras.

O órgão ligado ao Ministério dos Transportes afirma que a duplicação será importante para amenizar o tráfego diário de 12 mil veículos no trajeto Rondonópolis-Posto Gil, percurso no qual entre 60% e 80% são caminhões e carretas.

A “rodovia sem fim”

Idealizada nos anos 1970, como parte do projeto de expansão rumo à Amazônia elaborado pela Ditadura Militar (1964-1985), a BR-163 nunca foi totalmente pavimentada.

A primeira versão do PAC, lançado pelo então presidente Luis Inácio Lula da Silva, em 2007, colocou a pavimentação da rodovia como uma das prioridades. Mas até agora a BR-163 é parte consistente dos dois terços de obras do PAC 1 ainda em atraso, apesar de o Planalto já ter lançado o PAC 2.

A pavimentação do trecho de 1.000 km entre Guarantã do Norte (MT) a Santarém (PA) é o mais emblemático dentre os atrasos. Programada para ser entregue originalmente em 2010, a conclusão da obra foi transferida para dezembro 2013, após o aporte de R$ 1,2 bilhão. Faltam ser concluídos 692 km para que a produção de soja mato-grossense possa ser escoada pelo porto paraense de Santarém.

COMMENTS