Pesquisa da ANTAQ revela movimentação de 14,5 mi de passageiros anuais na Região Amazônica

Trabalho realizado em conjunto com a Universidade Federal do Pará descobriu também o perfil dos usuários do transporte fluvial e o nível de satisfação dos mesmos

Porto Chibatão (AM) investe R$ 80 milhões em infraestrutura
Antaq divulga estudo sobre transporte fluvial de passageiros na Amazônia
Rios Tapajós, Teles Pires e Juruena podem ganhar rota de transporte por hidrovia

A Agência Nacional de Transportes Aquaviários (ANTAQ), em parceria com a Universidade Federal do Pará (UFPA), divulgou o relatório do estudo para a caracterização da oferta e da demanda no transporte fluvial de passageiros na Região Amazônica. Os dados foram revelados na sexta-feira (10).

De acordo com o levantamento, são movimentados 1.210.478 passageiros por mês entre o transporte longitudinal misto e nas travessias. Por ano, são cerca de 14,5 milhões de usuários que utilizam essas modalidades de transporte por rios.

“O transporte fluvial é vital para a Região Amazônica. Por isso, a importância desse estudo. Essas informações serão importantes para o Ministério dos Transportes, para a Casa Civil e para outros órgãos pensarem as políticas públicas em benefício dessas pessoas”, disse Adalberto Tokarski, superintendente de Navegação Interior da ANTAQ.

Na primeira etapa da pesquisa, foram cadastrados 106 terminais, sendo 64 no Pará, 30 no Amazonas, 11 no Amapá e um em Rondônia. O estudo apontou que 222 linhas foram exploradas por 420 embarcações que prestam serviços regulares. Além disso, o trabalho revelou que 53% dos usuários são do sexo feminino e 47% são do sexo masculino; a maioria dos passageiros tem entre 30 e 49 anos; 57% dos usuários são casados; e 30% dos passageiros ganham entre R$ 451 e R$ 720.

Paralelamente, foi realizada uma pesquisa de satisfação dos usuários: 65% não aprovam os acessos aos terminais; 72% acham ruins as áreas para os estacionamentos de veículos; e 81% desaprovam as salas de embarque.

Carga

Além de passageiros, o relatório identificou que o transporte longitudinal misto e a travessia na Região Amazônica movimentaram 671 mil toneladas de carga por mês.

COMMENTS