Tracker soma 20 mil veículos recuperados em 11 anos de atividade

Com 78,83% do total acumulado, Região Sudeste é a recordista em recuperações; presidente da empresa afirma que já foi evitado um prejuízo de cerca de R$ 1,4 bilhão

Certidão Negativa de Débito Trabalhista
Seven Boys inicia operação logística para o verão no RS
EcoRodovias demonstra interesse por portos e aeroportos

A Tracker, empresa de rastreamento e monitoramento de veículos, comemora a marca de 20 mil recuperações em 11 anos de atividade. De acordo com dados da companhia, região Sudeste é a recordista absoluta de recuperações de veículos roubados ou furtados.

Do total acumulado durante esses anos, 15.765 (78,83%) veículos foram recuperados no Sudeste, seguido da região Sul com 3.182 ocorrências (15,91%), Centro Oeste com 689 (3,45%), Nordeste com 311 (1,56%) e Norte, em último lugar com 32 (0,16%).

Dessas recuperações, 0,11% aconteceram em países vizinhos, sendo 17 no Paraguai e quatro na Argentina.

“A Tracker é a única empresa nacional que tem cobertura em todo o território brasileiro e países vizinhos, com uma frota de carros, motos, helicópteros e aviões próprios para buscas. Se o carro roubado atravessar a fronteira para o Paraguai, por exemplo, temos como localizá-lo, da mesma forma que ele é rastreado no Brasil”, explica o presidente da empresa, François Barnier.

Em resultados divididos em estados, São Paulo registrou 51,77% do total de recuperações, mais do dobro do segundo colocado, o Rio de Janeiro, que representa 21,35% do número.

A capital paulista é a cidade que apresenta o maior índice de roubos e furtos do Brasil, 28,47% do total, seguida de Rio de Janeiro (18,94%), Porto Alegre (RS) (5,38%), Campinas (SP) (4,42%) e Curitiba (PR) (2,80%).

“Cinco cidades paulistas aparecem entre as dez mais perigosas do Brasil. Muitos carros roubados ou furtados na capital são levados para municípios vizinhos, o que coloca Santo André, São Bernardo do Campo e Guarulhos nessa lista”, analisa Barnier. “No total, já evitamos um prejuízo de cerca de R$ 1,4 bilhão”, conclui o presidente da empresa.

COMMENTS