Hamburg Süd testa combustível com baixo teor de enxofre

Combustível com taxa de 0,1% da substância foi utilizado em navio durante operações entre o Porto de Santos (SP) e o Golfo do México

Brasil Ecodiesel subtrai dívidas adotando redirecionamento estratégico
União Brasileira de Biodiesel garante que setor já tem produtividade para aumentar adição ao diesel
Retrospectiva 2010

Em parceria com a EPA (United States Environment Protection Agency), a Hamburg Süd realizou no final do mês de agosto testes com LSMGO (Low Sulphur Marine Gas Oil), um combustível com baixo teor de enxofre (0,1%) que foi utilizado no porta-contêineres “Cap San Lorenzo” em operações no Porto de Santos (SP) e no Golfo do México.

“A EPA estima que um navio possa conseguir uma redução na emissão de 95% em dióxidos de enxofre, e de 85% em partículas finas quando utilizam combustíveis com baixo teor de enxofre”, diz Gina McCarthy, administradora-assistente da EPA USA para Ar e Radiação. “Reconhecemos e aplaudimos os esforços dos armadores, como a Hamburg Süd, que se engajaram voluntariamente em estratégias para redução das emissões como a troca de combustível”, afirma.

Estão sendo definidas uma série de áreas conhecidas como ECAs (Emission Control Areas), onde haverá limites rígidos de quantidade de enxofre. Com isso, desde janeiro, os combustíveis usados em portos dentro da União Européia só podem conter no máximo 0,1% da substância. Já a partir de agosto de 2012, serão permitidos na região norte-americana do Atlântico e na Costa do Pacífico apenas 1% de enxofre.

“Imediatamente apoiamos as experiências da EPA,” diz Ottmar Gast, presidente do conselho executivo da Hamburg Süd. “É fato que a proteção do ambiente e dos recursos naturais faz parte de cada decisão empresarial e organizacional que tomamos. Só raramente a proteção ambiental é considerada nos grandes progressos trazidos pelas revoluções tecnológicas. Ao contrário, é a soma de muitas pequenas medidas que resultam em melhorias. E é precisamente o que queremos conseguir com os testes em nossos navios”, conclui.

COMMENTS