Medida provisória prevê mudança no seguro Dpvat

Parlamentares, advogados, membros do Ministério Público e vítimas de acidentes de trânsito pediram que a medida provisória seja retirada da pauta de votação do plenário da Câmara

Solução para escoamento de ‘pesados’ está paralisada
Empregados da Randon vão trabalhar menos
Mercado de caminhões no país continua paralisado

A Medida Provisória 451, que prevê mudanças na utilização dos recursos do seguro Dpvat (seguro obrigatório de danos pessoais causados por veículos automotores de via terrestre), utilizado para o tratamento de pacientes que sofrem acidentes de trânsito, foi assunto discutido em audiência pública na Comissão de Seguridade Social da Câmara dos Deputados e tema de manifestação em frente ao órgão.

Parlamentares, advogados, membros do Ministério Público e vítimas de acidentes de trânsito pediram que a medida provisória seja retirada da pauta de votação do plenário da Câmara. A medida está prevista para ser votada ainda hoje. Caso seja aprovada, a MP proibirá que hospitais conveniados ao Sistema Único de Saúde (SUS) receba qualquer indenização vinda de recursos do Dpvat pelo atendimento de pacientes vítimas de acidentes de trânsito.

O texto do documento argumenta que 45% dos recursos do seguro já são destinados ao SUS. As novas regras também instituem na lei a tabela simplificada com os critérios para classificação técnica do grau de invalidez da vítima. É um tipo de tabelamento do corpo humano, que será usado para o pagamento das indenizações. De acordo com os membros contrários à MP, esta tabela calcula valores menores para cada dano causado ao corpo pelo acidente.

A medida provisória 451 foi assinada pelo presidente Lula no dia 15 dezembro do ano passado. Segundo os parlamentares autores do requerimento da audiência pública, a MP não pode ser votada, porque antes ela precisa sofrer ajustes. “É um tema muito vasto, que precisa ser amplamente discutido”, afirmou o deputado André Zacharow (PMDB-PR).

A presidente da Comissão de Seguridade Social, deputada Elcione Barbalho (PMDB-PA), acredita que a votação da MP deverá ser prorrogada. “Possivelmente ela não será votada hoje. Vamos propor uma reunião para aprofundar essa questão o mais brevemente possível”, disse.

COMMENTS