Embraer e FAB assinam contrato

O governo ainda não formalizou uma encomenda, mas a expectativa da FAB e da empresa é a aquisição, pelas Forças Armadas, de 22 unidades do KC-390. Esses aviões substituiriam os C-130 Hércules, da norte-americana Lockheed

Governo do Estado de Rondônia investe cerca de R$ 500 milhões em pavimentações em oito anos
Preço de passagens poderá cair este ano
São Paulo vai usar dinheiro da Nossa Caixa em transporte e apoio a pequenos empresários

A Embraer assinou ontem contrato com a Força Aérea Brasileira (FAB) para desenvolver um novo cargueiro com investimento estimado em US$ 1,3 bilhão, em seu mais recente esforço para diversificar sua base de receita em meio à crise financeira global que tem pressionado os negócios na aviação comercial e executiva.

O governo ainda não formalizou uma encomenda, mas a expectativa da FAB e da empresa é a aquisição, pelas Forças Armadas, de 22 unidades do KC-390. Esses aviões substituiriam os C-130 Hércules, da norte-americana Lockheed.

A previsão é que a linha de montagem e dois protótipos do KC-390 estejam concluídos em sete anos. Não foi revelado se a assinatura do contrato com a FAB implica em desembolso pelo governo, neste momento. A Embraer também não informou como vai financiar o desenvolvimento do projeto.

O vice-presidente da Embraer para a área de Defesa e governo, Orlando Ferreira Neto, disse que há um mercado externo potencial total de 700 cargueiros em um período de 15 anos. A fabricante brasileira pretende ter cerca de um terço disso, o que representaria exportações de US$ 18 bilhões.

“Nossos projetos militares têm histórico de sucesso nas exportações. Esse é mais um caso de extremo potencial de venda no mercado externo”, disse Ferreira Neto durante a feira aérea e de defesa Laad 2009, no Rio de Janeiro, onde foi assinado o acordo com a FAB.

A área militar foi durante muito tempo a principal fonte de receita da Embraer, mas a estratégia voltada ao mercado de aviação comercial mudou esse quadro. Em 2008, o segmento de Defesa representou 8,1% da receita líquida da Embraer, acima dos 6,6% de 2007.

O KC-390 representará uma segunda plataforma de exportação para a fabricante no segmento de Defesa, que atualmente tem sido bem-sucedida na comercialização do avião de treinamento e de ataques leves Super Tucano no exterior. Segundo a FAB, outros países já demonstraram interesse em participar do desenvolvimento do cargueiro da Embraer.

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, exaltou a importância que o cargueiro da Embraer terá para as missões da FAB em solo brasileiro, em especial na região amazônica. Segundo ele, o KC-390 terá capacidade para embarcar 19 toneladas e levar até 80 soldados armados.

A Embraer também assinou acordo de US$ 140 milhões para modernizar 12 aviões da Marinha.

O presidente da Embraer, Frederico Curado, disse que a empresa mantém a expectativa de entregar 242 aeronaves em 2009.

COMMENTS