Entrevista com o especialista Fernando Zerati: “Recebedor foi o que menos sofreu os impactos das restrições em SP”

Após mais de dois meses de vigência das restrições à circulação de caminhões na cidade de São Paulo, especialista analisa condições do trânsito e das entregas na cidade

Plantão Covid-19 – episódio 07 – A visão dos transportadores: distribuição de alimentos e bebidas
Plantão Covid-19 – episódio 30 – Ex-ministro Luiz Carlos Mendonça de Barros
Empresas de escolta e segurança eletrônica veem crescimento de demanda

Depois de mais de dois meses das regras que restringem a circulação de caminhões na cidade de São Paulo, o especialista em Mobilidade Urbana e Distribuição Fernando Abrahão Zerati faz uma rápida análise de como ficou o panorama das entregas e coletas na Metrópole. De acordo com o especialista, quem mais sofreu com as restrições foram os transportadores. Recebedores não tiveram que fazer grandes esforços para se adaptar às regras.

Leia a entrevista na íntegra:

Portal Transporta Brasil: Após dois meses de restrições, as operações dentro da cidade ficaram mais difíceis?

Fernando Abrahão Zerati: Sem dúvida, principalmente na necessidade de reposição dos veículos restritos por outros permitidos (1 v.u.c. / 3 vans). Esta restrição impactou também as indústrias que obrigatoriamente tiveram que respeitar limites de peso e cubagem para emissões de notas fiscais. O recebedor, que em meu ponto de vista é o principal responsável pelo horário de recebimento, afinal é ele quem determina que horário aceita receber seus produtos, é o que menos sofreu impacto desta restrições.

Portal Transporta Brasil: Quanto ao custo, como as restrições afetaram a distribuição urbana de bens?

Fernando Abrahão Zerati: Para os transportadores, a restrição causou aumento de custos relacionados à frota, funcionários, e burocracias para controle de horários (frota X horário de restrição).

Portal Transporta Brasil: Na sua análise, as restrições trouxeram algum impacto positivo ao trânsito?

Fernando Abrahão Zerati: Infelizmente as restrições não obtiveram êxito, posto que apenas 1 % de todas as entregas que outrora eram realizadas durante o dia, passaram a serem concluídas à noite. Em contra partida um caminhão que ocupa 6,5 metros nas vias acabaram substituídos por 3 vans que passam de 20 metros de ocupação.

Portal Transporta Brasil: Em sua opinião, qual seria uma medida mais sensata em relação ao trânsito?

Fernando Abrahão Zerati: Restringir o recebimento de cargas dos grandes estabelecimentos para horários noturnos (Que pelos seus portes oferecem infra-estrutura para operar 24 horas). E, em caso de desrespeito a esta restrição, a punição deve ser dada ao recebedor (afinal é ele quem determina que horário aceita receber seus produtos). Afirmo que restringir o caminhão é um absurdo, posto que o caminhão é apenas um elo entre as relações comerciais de quem fabrica e quem vende e consome.

COMMENTS