Governo anuncia redução do PIS/Pasep e Cofins e determinação sobre a Cide

Nova norma com alterações entra em vigor a partir de 1º de maio deste ano

Fazenda reduz taxa da gasolina, mas preço final não sofrerá redução
Fecombustíveis espera que distribuidoras repassem redução da CIDE
Câmara analisa proposta que define a isenção de Cide sobre combustível de aviação

combustivel MT

O governo anunciou, por meio do decreto nº 8.395 publicado no Diário Oficial da União desta quinta-feira (29/1), uma regra que trata da redução da alíquota do PIS/Pasep e da Cofins e também cobrança da Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico) sobre os combustíveis.

A decisão tomada prevê alteração de regras anteriores, como o decreto nº 5.059/2004, que reduz as alíquotas da Contribuição para o PIS/PASEP e da COFINS incidentes sobre a importação e a comercialização de gasolina, óleo diesel, gás liquefeito de petróleo e querosene de aviação. Outra alteração é referente ao decreto nº 5.060/2004, que reduz as alíquotas da Cide incidente sobre a importação e a comercialização de petróleo e seus derivados, gás natural e seus derivados e álcool etílico combustível.

Em relação ao Decreto nº 5.059/2004, a redação anterior trata dos coeficientes de redução de PIS/PASEP e Cofins de R$ 0,6699 para as gasolinas e combustíveis referentes, exceto gasolina de aviação, e de 0,6793 para o óleo diesel e suas correntes. Com a modificação, o coeficiente será de 0,51848 para as gasolinas e suas vertentes, exceto gasolina de aviação, e de 0,46262 para óleo diesel e variantes.

A alteração entra em vigor a partir de 1º de maio de 2015. Até 30/4, os coeficientes de redução serão de 0,3923 para as gasolinas e suas correntes, exceto gasolina de aviação; e 0,35428 para o óleo diesel e suas correntes.

Em relação ao Decreto nº 5.060/2004, houve alteração determinando que as alíquotas específicas Cide, ficam estabelecidas em R$ 100 por metro cúbico de gasolinas e suas correntes e em R$ 50 o metro cúbico de óleo diesel e suas correntes. A nova regra cita, ainda, que ficam reduzidas a zero as alíquotas da Cide para querosene de aviação, demais querosenes, óleos combustíveis com alto teor de enxofre, óleos combustíveis com baixo teor de enxofre, gás liquefeito de petróleo, inclusive o derivado de gás natural e de nafta e álcool etílico combustível.

A medida também revoga o decreto nº 7.764/2012, que tratava da redução da Cide e no qual tinha reduzido a contribuíção a zero.

COMMENTS