Testamos a Ford Transit chassi-cabine 350E MT

Testamos a Ford Transit chassi-cabine 350E MT

Veículo comercial leve é a estreia da Transit no segmento de chassi-cabine com variedade de aplicações em diversas cargas

Grupo D’Granel compra mais 60 caminhões Iveco Hi-Way
Transportadora gaúcha celebra 50 anos e restaura raridade da Scania
Marcopolo entrega Torinos capixabas ao Espírito Santo

A família Ford Transit cresceu em 2023. Depois das versões para passageiros e o furgão de cargas, a fabricante trouxe para o Brasil seu veículo comercial leve com transmissão automática e o último lançamento do ano foi para o segmento de chassi-cabine, com variedade de aplicações e a novidade de rodado duplo no eixo traseiro.

A Transit tem motor Ford Eco Blue Diesel de 165 cavalos de potência com injeção eletrônica e sistema turbodiesel que entrega até 390 newton metro de torque e promete operação econômica.

As versões chassi-cabine da Transit contam apenas com opção de transmissão manual de seis velocidades com overdrive, com a alavanca de câmbio integrada ao painel.

Performance nas entregas urbanas

Testamos o modelo chassi-cabine 350E MT que tem Peso Bruto Total de 3,5 toneladas e que, portanto, pode ser dirigido por motoristas habilitados com CNH Categoria B, um dos apelos da Ford para os primeiros lançamentos da Transit. A versão testada estava implementada com um baú de alumínio de quatro metros de altura e excelente volumetria de carga, o que permite o transporte de grande quantidade de produtos de alto volume e baixo peso.

Dirigir a Transit pela cidade, com carga completa, é uma experiência tranquila e satisfatória. Rodamos 150 quilômetros por cinco dias pelas ruas da cidade de São Paulo simulando entregas de materiais de construção. A abertura do baú, que não é de fabricação da Ford, mas que tem a homologação da empresa, conta com portal lateral de fácil acesso e as tradicionais portas traseiras de abertura total.

Por dentro, a Transit mostra que é uma das vans mais confortáveis do mercado. A começar pelo espaço interno, a posição de dirigir, o acabamento dos bancos e o apoio de braço direito, geralmente item de veículos com transmissão automática, mas muito bem-vindo nesta versão. O modelo não conta com controle automático de velocidade e o cluster tem uma tela LCD pequena que mostra as principais funções e traz um assistente de direção, que calcula o giro do motor e “sugere” as trocas de marchas.

O ruído interno é bem baixo, mal dá para ouvir o ronco do motor diesel com os vidros fechados, e o ar-condicionado é digital e bastante potente. A Transit conta com uma tela multimídia central de oito polegadas e o sistema da Ford de entretenimento, nada que faça muita diferença para a operação, é mais um item de conforto para o motorista e ocupantes. A cabine comporta o motorista e mais dois passageiros e o banco do meio se transforma em uma espécie de mesa de trabalho para lidar com documentos e notas fiscais, coisa básica para quem faz entregas o dia todo.

Na tocada, a Transit mostra a que veio. Tem um motor com boa potência para as aplicações leves e a transmissão é bem dimensionada, com trocas fáceis. Na terceira, quarta e quinta marchas a curva de torque se comporta bem para a cidade, permitindo que se rode sem trocar de marchas a 50 quilômetros por hora. A sexta marcha é um overdrive, que ajuda na estrada a transitar a velocidades mais altas com consumo baixo de combustível.

Falando em consumo, no trajeto que fizemos em cinco dias, com várias paradas para simular entregas, arrancadas e muito congestionamento na cidade, o veículo fez uma média de 9,5 quilômetros por litro de diesel.

Na dinâmica veicular, a Transit ajuda o motorista com sistema de partida em rampa, item crucial para cargas na cidade, e conta com sistemas de controle adaptativo de carga, controle eletrônico de estabilidade e sistema anti-capotamento, este último um item muito bem-vindo, principalmente neste versão com baú bem alto, que tem um centro de gravidade deslocado.

Uma característica que deve ser notada nas versões chassi-cabine da Transit é o rodado duplo no eixo traseiro. Por um lado, ele permite maior capacidade de carga na versão acima de quatro toneladas. Por outro, exige o pagamento dobrado de pedágio, mesmo na versão de 3,5 toneladas.

Dirigir a Transit pela cidade não é cansativo. O veículo apresenta um design bastante confortável para o motorista. O volante multifuncional é confortável e preciso, com direção eletricamente assistida.

No geral, o veículo chassi-cabine da Ford traz um pacote de conforto, estabilidade, segurança e performance muito bom para quem precisa fazer entregas e coletas o dia todo pela cidade. É um comercial leve premium, com acabamento acima da média. Recomendamos!

Leo Doca – Agência Transporta Brasil (ATB)
leodoca@transportabrasil.com.br

Clique aqui para assistir a vídeos sobre transporte todos os dias na TV Transporta Brasil

+ Saiba tudo do mundo do transporte rodoviário. Curta nossa página no Facebook!
Agência Transporta Brasil – ATB

COMMENTS