Licenciamentos de caminhões crescem no primeiro bimestre e produção tem queda natural

Licenciamentos de caminhões crescem no primeiro bimestre e produção tem queda natural

Efeito Euro 6: Brasil já produziu 12,2 mil caminhões em 2023, número 41,6% menor do que o do primeiro bimestre de 2022

Mercedes-Benz realiza venda grande de veículos com incentivo do plano do governo
Delivery 11.180 ou Cargo 1119: qual você escolhe?
Empresas Randon anunciam sucessão na presidência

De acordo com o levantamento da Anfavea, associação que representa os fabricantes de veículos automotores no Brasil, a indústria nacional já licenciou 18,6 mil caminhões em 2023 e produziu um total de 12,2 mil. Os resultados representam, respectivamente, um aumento de 10,5% em relação aos dois primeiros meses do ano passado e uma queda na produção de 41,6%, no acumulado do primeiro bimestre, em comparação com o mesmo período de 2022.

Efeito Euro 6

Alguns fatores explicam estes resultados. O aumento no número de licenciamentos se deve ao fato de a indústria ter produzido mais caminhões ano passado antes da virada de chave para as novas normas de emissões Proconve P8 Euro 6. Até o último dia de 2022, todos os fabricantes puderam produzir caminhões Euro 5, que podem ser comercializados até o dia 31 de março deste ano. Assim, as empresas fizeram algum estoque de caminhões, prevendo a queda na procura no começo deste ano, já que os novos caminhões Euro 6 estão, em média, 20% mais caros.

Por outro lado, a produção de caminhões em 2023 começou lenta: muito por causa das novas tecnologias de emissões, mais caras e complicadas, mas também por efeito da crise global de logística e da dificuldade de muitos fornecedores em entregar seus componentes. Falta de tudo: de filtros a micro chips, de peças ornamentais de acabamento a partes plásticas. Além disso, as fabricantes tiveram menos dias úteis para trabalhar nos dois primeiros meses do ano, devido ao Carnaval.

“A capacidade produtiva das fábricas de caminhões na era Euro 6, de forma sistêmica, se mantém em relação à anterior. Precisamos destacar que, com a mudança de fase do Euro 5 para o Euro 6, é natural que os primeiros meses apresentem números de produção mais tímidos, até por causa das férias coletivas das montadoras em janeiro e, em fevereiro, com os feriados e o menor número de dias úteis. A expectativa é que tenhamos um aumento na produção para os próximos meses”, diz Gustavo Bonini, vice-presidente da Anfavea.

Leo Doca – Agência Transporta Brasil (ATB)
leodoca@transportabrasil.com.br

Clique aqui para assistir a vídeos sobre transporte na TV Transporta Brasil

+ Saiba tudo do mundo do transporte rodoviário. Curta nossa página no Facebook!
Agência Transporta Brasil – ATB

COMMENTS