Delivery 11.180 ou Cargo 1119: qual você escolhe?

Delivery 11.180 ou Cargo 1119: qual você escolhe?

Modelos têm suas estruturas derivadas de veículos leves, porém com maiores capacidades de carga. Por essa razão eles salvaram o segmento de caminhões médios que estava em declínio no Brasil

Eixo Meritor para até 125 toneladas equipa novos Constellation pesadões
Intelbras pela primeira vez na Fenatran
Indústria mineira de aço compra caminhões Volkswagen

Quando a Ford lançou o Cargo 1119, estava apresentando algo inovador para o mercado, pois o modelo, com atributos de caminhão leve, tem capacidades técnicas de um médio.

Com PBT (Peso Bruto Total) de 10.510 kg, de acordo com as regras da Anfavea, o Cargo 1119 é um caminhão médio, mas desenvolvido para atender à demanda do mercado por veículos capazes de carregar maior densidade dentro da distribuição urbana.

O PBT superior, mesmo em uma estrutura de veículo, leve é a grande sacada da Ford para entregar um caminhão com maior aproveitamento. Afinal, são 7.164 kg de carga útil. Suas características mais leves são comprovadas pela plataforma de carga mais baixa e a cabine menor, como a do irmão leve Cargo 816.

O 1119, que tem as opções de entre-eixos de 3.900 mm e 4.300, é indicado para uso com baú isotérmico, baú frigorífico, carga seca, guincho, plataforma e bebidas, por exemplo. Resumindo, onde a carga é mais pesada. E por ser um caminhão de dimensões compactas, além da vantagem de ter 700 kg a mais de capacidade de carga, ele pode entrar com mais mercadorias em ruas estreitas, comuns nas grandes capitais, tornando-se uma opção bastante competitiva nas operações urbanas. Com sua versatilidade, o caminhão também atende a atividade na intermunicipalidade.

Por esse diferencial, o caminhão deu vida ao segmento de caminhões médios, que estava em baixa até antes de seu lançamento, em 2013. Mas também criou uma tendência, já que a VWCO, quando lançou a nova linha Delivery em 2017, também enxergou uma oportunidade de negócio com a chegada do 11.180 para atacar esse segmento. E isso deu muito certo. Mesmo antes de a Ford anunciar que abandonaria suas operações no Brasil, o Delivery 11.180 já apresentava números melhores que o do Ford e hoje lidera o segmento.

Moderno x espartano

Nos três primeiros meses do ano o 11.180 vendeu 822, ou seja, ele tem 49,10% do mercado de caminhões médios. E na vice-liderança vem o Ford Cargo 1119 com 347 unidades emplacadas, lhe garantindo 20,73%.

Deve-se destacar, porém, que só os dois modelos, juntos, representam a maior fatia das vendas da categoria de caminhões médios. O fato de ser um veículo mais moderno e com fama de resistente, herdado da gama anterior garante vantagens ao 11.180, ainda mais agora com as incertezas sobre o futuro da Ford e de seus produtos no mercado interno.

Com PBT de 10.700 kg a ideia é também oferecer um veículo com maior capacidade de carga útil, neste caso no modelo da VW varia entre 7.300 kg e 7.450 – de acordo com o entre-eixo nas opções de 3.400 mm, 4.000 mm, 4.400 mm e 4.600 mm, entregando maior capacidade e mais opções em relação ao seu competidor.

Em relação ao peso dos veículos, pelo fato de o Delivery ser mais leve, seu peso em ordem de marcha varia de 3.250 kg a 3.400 kg, lhe garantiu vantagens com relação a carga útil. Contudo, a do Ford 1119 não se distancia tanto, o peso em ordem de marcha é entre 3.346 kg e 3.356 kg.

O Delivery atende às mesmas atividades do Cargo, já mencionadas nessa reportagem como cargas mais fracionadas, porém, com a vantagem de ser um caminhão totalmente novo, ou seja, mais moderno frente ao competidor da Ford. O interior de ambos são similares com relação ao que entregam ao condutor como banco para dois ajudantes e um painel reto para facilitar o acesso dos passageiros, sobretudo o que se acomodar no banco central.

No entanto, pelo fato de a VW oferecer pacotes, quem consumir o 11.180 pagando um pouco mais pode levar para a garagem um veículo mais completo, algo que o Ford não dispõe. Enquanto no pacote básico o caminhão é equipado com rádio, trio-elétrico, console de teto e farol de neblina, no intermediário ainda acrescenta banco do motorista com suspensão pneumática, ar-condicionado e piloto automático. Na versão mais completa, a coluna de direção conta com multirregulagem, o computador de bordo é mais completo e o caminhão conta com protetor de degraus, por exemplo.


No Ford 1119 a cabine é um pouco mais espartana. O ar-condicionado é opcional e o piloto automático não faz parte da linha. De série entrega banco com suspensão pneumática e vidros elétricos. O cluster do painel é moderno e iluminado e isso chama a atenção a bordo.

Corações valentes

O caminhão 1119 é equipado com motor Cummins ISB 4.5, de 4 cilindros em linha, com potência de 189 cv a 2.300 rpm e torque de 61,2 mkgf, de 1.100 a 2.100 rpm. Em épocas de economia, essa ampliada faixa de torque permite que o motorista possa trabalhar mais na faixa de economia.

Esse motor trabalha com a caixa Eaton FSO-4505, mecânica, de 5 velocidades. O Delivery 11.180 também é equipado com motor Cummins, de 4 cilindros, com potência de 175 cv a 2.600 rpm e torque de 61,2 mkgf de 1.100 a 1.700 rpm. Em relação a potência a Ford está em vantagem.

A transmissão é também a Eaton, mas a versão ESO 6106, manual de 6 marchas. No entanto, a engenharia da VWCO garante que em breve vai trazer uma versão de transmissão automatizada. O lançamento caixa automatizada será escalonado para linha, contudo, como o 11.180 é o modelo que lidera as vendas não só entre médios, mas também entre os modelos da família Delivery, pode ser que a VW dê atenção especial a esse modelo. É aguardar o que poderá chegar na Fenatran deste ano, ou até mesmo antes.

O preço pode ser um fator decisivo na hora da compra. O Cargo 1119 0 km custa R$ 162.753, e o Delivery custa R$ 174.278, mais caro, mas entrega mais em equipamentos.

Andrea Ramos, Editora-executiva da Agência Transporta Brasil
andrearamos@transportabrasil.com.br

+ Saiba tudo do mundo do transporte rodoviário. Curta nossa página no Facebook!
Agência Transporta Brasil – ATB

COMMENTS