Caminhoneiros ameaçam nova paralisação e Petrobras anuncia preço fixo do diesel

Caminhoneiros ameaçam nova paralisação e Petrobras anuncia preço fixo do diesel

A movimentação começou por meio de grupos de Whatsapp, antes mesmo de a Petrobrás reajustar o preço do diesel, uma das razões para nova paralisação

DAF XF 105 ganha prêmio na Inglaterra
Exclusivo: primeiro Scania Nova Geração sai da linha de montagem
Plantão Covid-19 – episódio 17 – A visão da indústria: Volkswagen Caminhões e Ônibus

Durante o final de semana, alguns canais de comunicação divulgaram que caminhoneiros começam a se organizar, via Whatsapp, para uma possível paralisação programada para o próximo sábado (30).

Tabela de fretes, preço do diesel e pedágio estão na pauta dos grevistas. No entanto, a Petrobras anunciou ontem que sua diretoria aprovou mudanças na periodicidade de reajuste no preço do diesel vendido para as refinarias. Os preços passarão a ser reajustados a cada duas semanas, segundo comunicado da estatal.

Para se ter uma ideia do peso que esses reajustes trarão aos bolsos dos caminhoneiros, durante este mês de março o valor do diesel passou por quatro aumentos.|

Cartão Caminhoneiros

Com a medida, a Petrobras também informou ainda que a Petrobras Distribuidora S.A, sua subsidiária, pretende lançar um cartão de pagamentos que vai dar acesso aos caminhoneiros à compra de litros de diesel a preço fixo nos postos com bandeira da marca.

Ainda assim, a informação do reajuste pode agravar ainda mais a movimentação para uma possível paralisação.

A ATB (Agência Transporta Brasil) entrou em contato com a Abcam (Associação Brasileira dos Caminhoneiros) que por meio de nota informou que, de fato são inúmeros os telefonemas e mensagens à entidade de insatisfação com o atual piso mínimo de frete, bem como a falta de fiscalização para o seu cumprimento. “A entidade vem percebendo uma insatisfação muito grande da categoria o que pode refletir em possível nova paralisação”, diz o comunicado.

A Abcam ainda reitera que concorda com tais insatisfações dos transportadores e autônomos e que é imprescindível a criação de uma tabela de frete que esteja de acordo com a realidade vivida nas estradas e que garanta os custos operacionais do transportador. “Também é necessária uma fiscalização eficaz e eficiente por parte da ANTT”.

Por fim, a associação espera não ser necessário chegar a uma nova e “traumática” paralisação. Para tanto, na sexta-feira (22), durante o Fórum TRC, a Abcam enviou ao governo todas as reclamações recebidas.

Uma classe insatisfeita

De acordo com Wallace Landim, conhecido como Chorão, presidente da Abrava e BrasCoop, entidades que representam os caminhoneiros, sua posição é contrária à paralisação do dia 30, porém, reconhece que a classe está insatisfeita, uma vez que entende que os principais compromissos assumidos pelo ex-presidente Michel Temer ano passado não estão sendo cumpridos.

Segundo Landim, a categoria, que apoiou o atual Governo em sua maioria, reclama que as empresas têm descumprido o pagamento do valor mínimo e cobram uma fiscalização mais ostensiva da ANTT. Landim ainda adiantou que a agência prometeu mais ações e declarou que já autuou mais de 400 empresas.

Andrea Ramos
Editora-executiva da Agência Transporta Brasil
andrearamos@transportabrasil.com.br 

+ Saiba tudo do mundo do transporte rodoviário. Curta nossa página no Facebook!
Agência Transporta Brasil – ATB

COMMENTS