Setor de motocicletas amarga pior resultado desde 2002

Produção registrou 423,7 mil unidades, 8,8% menor que a atividade do mesmo período de 2016

Porto de Chibatão (AM) garante certificação ISO 9000 até 2015
Infraero divulga maquete virtual do aeroporto de Manaus (AM)
Panalpina inaugura armazém no aeroporto de Manaus (AM)

A produção de motos no primeiro semestre registrou 423,7 mil, 8,8% menor que a atividade do mesmo período de 2016 e também o pior desde 2002, quando foram montadas 406,5 mil unidades na primeira metade do ano. As informações foram divulgadas pela Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares (Abraciclo) nesta terça-feira (11/7).

Nesse período analisado, o setor fechou aproximadamente 1,2 mil vagas em 2017 e passa a empregar 12,2 mil trabalhadores na cadeia produtiva (fabricantes e fornecedores), 9,1% a menos que no fim de 2016.

Em 2011, as montadoras e fabricantes de motopeças chegaram a empregar 20,5 mil trabalhadores.

Os emplacamentos de janeiro a junho de 2017 somaram 427,2 mil unidades, resultando em queda de 9% em relação aos primeiros seis meses de 2016.

A associação espera 890 mil emplacamentos até o fim do ano, resultando em queda de 1,1% ante o total registrado em 2016.

COMMENTS