Serviços de transporte, armazenagem e correio caem quase 8% em 2016

Pesquisa divulgada pelo IBGE mostra decréscimo em quase todos os modais

Transportadores adotam balizador de fretes visando evitar desastre financeiro na safra 2015
ZF desenvolve tecnologia autônoma para o transporte de passageiros
Autônomos poderão contar com isenção fiscal na compra de caminhões

movimento-queda-crise

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os serviços de transporte, armazenagem e correio também não tiveram um bom momento em 2016, e acumularam queda de 7,6% em relação a 2015.

No transporte terrestre houve retração de 10,4%, enquanto que aquaviário apresentou baixa de 9,5%. Já os serviços de armazenagem, auxiliares dos transportes e correio diminuíram 4,9%. E o transporte aéreo foi pela contramão da tendência, expandindo 1,3% no acumulado dos 12 meses.

“É importante ressaltar a forte dependência do transporte de cargas (rodoviário, ferroviário e dutoviário) em relação ao setor industrial, maior demandante deste serviço, tanto para o consumo de matérias-primas, como para a distribuição da produção. Dessa forma a recuperação dessa atividade vai depender da recuperação do setor industrial”, diz o instituto, em nota.

Conforme a Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador, estudo da CNT (Confederação Nacional do Transporte) que ouviu empresas transportadoras de cargas e de passageiros de diferentes modais, foi constatado que para 57,5% dos entrevistados, o volume de serviços em 2016 foi fraco em razão da crise econômica. Além disso, cerca de 37% das empresas do setor reduziram o número de veículos em operação no ano passado.

Já observando o exercício de 2017, o levantamento aponta otimismo, isso porque 47,7% dos empresários entrevistados esperam obter receita bruta maior e 48,8% confiam que haverá melhor desempenho da atividade econômica.

COMMENTS