Serviços de transporte, armazenagem e correio caem quase 8% em 2016

Pesquisa divulgada pelo IBGE mostra decréscimo em quase todos os modais

Repom inaugura mais um Clube da Estrada no Mato Grosso
Repom lança novos cartões para transportadores autônomos
Frete poderá ser pago em dinheiro para transportador autônomo, segundo projeto

movimento-queda-crise

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os serviços de transporte, armazenagem e correio também não tiveram um bom momento em 2016, e acumularam queda de 7,6% em relação a 2015.

No transporte terrestre houve retração de 10,4%, enquanto que aquaviário apresentou baixa de 9,5%. Já os serviços de armazenagem, auxiliares dos transportes e correio diminuíram 4,9%. E o transporte aéreo foi pela contramão da tendência, expandindo 1,3% no acumulado dos 12 meses.

“É importante ressaltar a forte dependência do transporte de cargas (rodoviário, ferroviário e dutoviário) em relação ao setor industrial, maior demandante deste serviço, tanto para o consumo de matérias-primas, como para a distribuição da produção. Dessa forma a recuperação dessa atividade vai depender da recuperação do setor industrial”, diz o instituto, em nota.

Conforme a Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador, estudo da CNT (Confederação Nacional do Transporte) que ouviu empresas transportadoras de cargas e de passageiros de diferentes modais, foi constatado que para 57,5% dos entrevistados, o volume de serviços em 2016 foi fraco em razão da crise econômica. Além disso, cerca de 37% das empresas do setor reduziram o número de veículos em operação no ano passado.

Já observando o exercício de 2017, o levantamento aponta otimismo, isso porque 47,7% dos empresários entrevistados esperam obter receita bruta maior e 48,8% confiam que haverá melhor desempenho da atividade econômica.

COMMENTS