Transporte Rodoviário de Combustíveis não terá preço mínimo de frete, diz governo

Agrale fecha 2012 com faturamento bilionário
JBS renova frota de pesados com 100 FH da Volvo
Volvo estreia plano de manutenção flexível para caminhões conectados

tanque-metalesp

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara dos Deputados rejeitou, em caráter conclusivo, a criação de uma Política Nacional de Transporte Rodoviário de Combustíveis, com fixação de tarifa mínima para a remuneração da atividade, incentivos fiscais e outros benefícios ao setor.

+ BNDES barateia financiamentos e fica mais flexível para renegociar dívidas

A medida, proposta do deputado Washington Reis (PMDB-RJ), foi considerada inconstitucional pelo colegiado e arquivado.

A proposta tinha sido aprovada nas comissões de Viação e Transportes e Minas e Energia, mas não passou pelo crivo da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania, que tem o poder de interromper a tramitação de propostas consideradas inconstitucionais.

+ Gastos com logística avançam 30% em 2015

Inconstitucional

O relator do projeto, deputado Jeronimo Goergen (PP-RS), avaliou que a fixação de tarifas mínimas para o frete de combustíveis é inconstitucional. Ele lembrou que apenas os serviços explorados em regime de concessão ou permissão pública poderão ser objeto de política tarifária. Além disso, poderá afetar a livre iniciativa e tornar o sistema mais caro e menos eficiente.

“A criação de uma tabela mínima ou tarifa mínima de frete, por meio de intervenção estatal, além dos questionamentos judiciais pertinentes, sempre vai suscitar discussões sobre a forma de cálculo ou eventual prejuízo de uma das partes, já que estará sujeita à flutuação natural entre demanda e oferta do mercado de transportes”, justificou o relator.

+ Saiba tudo do mundo do transporte e da logística. Curta nossa página no Facebook!

COMMENTS