MPF quer suspender reajuste abusivo de pedágio na BR-050/MG

Logística ruim pode deixar algumas regiões sem gasolina no final do ano
Diesel mais barato do País está em rodovias mineira e paulista
Iveco do Brasil comemora produção de caminhão pesado nº 30.000

pedagiobr-101-palhoca

O Ministério Público Federal (MPF) em Uberlândia ingressou com uma ação a fim de suspender o reajuste tarifário deferido pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) na BR-050, que entrou em vigor no dia 12 de janeiro. Os valores passaram de R$ 4,93 para R$ 6,10 a cada trecho de 100 km.

+ Estudo aponta que pedágio no Paraná custa o dobro do que deveria e obras são insuficientes

Para o MPF, o reajuste foi bem acima da inflação, que fechou 2015 em 10,67%. O órgão ainda citou que não houve qualquer estudo contábil para apurar o impacto na planilha de custo da empresa das implicações da chamada Lei dos Caminhoneiros. Ainda foi citado que não foi feito nenhum investimento no trecho que justifique tal cobrança.

Com isso, o MPF, por meio do procurador da República Cléber Eustáquio, solicitou que seja determinado à MGO Rodovias que se abstenha de cobrar a tarifa nos pedágios localizados entre Uberlândia e a divisa de Minas com o Estado de Goiás, devendo a cobrança ser mantida nos mesmos patamares vigentes antes do reajuste.

+ Rodovia dos Tamoios terá duas praças de pedágio a partir de abril

Na ação, o procurador ainda solicitou à Justiça que o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) e a MGO Rodovias, que administra a via, promovam a sinalização na BR-050, entre os KM 0,00 (divisa Minas/Goiás) e 68,9 (interseção da BR-050 com o contorno de Uberlândia).

Em caso de desrespeito, uma multa diária de R$ 50 mil deve ser fixada. O G1 tentou contato com a MGO e com o Dnit, mas ambos não atenderam às ligações.

+ Saiba tudo do mundo do transporte e da logística. Curta nossa página no Facebook!

 

COMMENTS