Estudo aponta que pedágio no Paraná custa o dobro do que deveria e obras são insuficientes

Estudo aponta que pedágio no Paraná custa o dobro do que deveria e obras são insuficientes

Motoristas reclamam do rigor excessivo na fiscalização da PRF e alegam operação-padrão
SBCTrans entrega primeiros ônibus com internet para São Bernardo do Campo (SP)
Iveco renova linha Daily Ecoline e avança no mercado

pedagio-liminar-dentro

O pedágio deveria ser mais barato e as concessionárias deveriam fazer mais obras, de acordo com estudo divulgado pela Federação das Indústrias do Paraná (Fiep) divulgada na última sexta-feira (22). A Fiep sugere uma mudança radical no modelo de concessão de rodovias no estado. Conforme a pesquisa, o preço do pedágio deveria cair pela metade. A análise foi feita com comparação com outros estados.

+ Novo pacote de concessões de SP atrai interesse cauteloso de grupos

“Se for comparar com Santa Catarina ou com São Paulo, onde existem pistas não só duplas, triplas, quádruplas, a logística é melhor, a infraestrutura é melhor e os valores são muito menores do que o cobrado aqui no Paraná”, afirma Edson Campagnolo, presidente do Fiep.

Para a Fiep, o sistema atual prejudica a indústria paranaense, porque o produto final fica mais caro do que em outros estados, por causa do preço do pedágio. Campagnolo considera o modelo do estado “ultrapassado e caro”. “Esse modelo que está aqui tem que ser revisto e o tempo é até 2021. Então acho que fazer concessão, renovação, talvez não seja o melhor modelo”, diz o presidente da Fiep.

+ Hidrovia Tietê-Paraná reabre após quase dois anos fechada por causa da seca

Os contratos com as concessionárias vencem em 2021, mas existe a possibilidade de serem prorrogados. A decisão cabe ao governo federal, já que a maior parte das estradas que formam o sistema de integração é de BRs.

+ Saiba tudo do mundo do transporte e da logística. Curta nossa página no Facebook!

 

COMMENTS