Transporte aéreo de órgãos para transplante será ampliado

Com renovação do acordo e novas regras, será possível transportar, também, medula óssea

American Airlines pede concordata nos EUA
Oito países marcam presença na Expo Aero Brasil 2012, em São José dos Campos (SP)
Panalpina transporta dois helicópteros por Viracopos (SP)

Transplante aéreo

O acordo que mantém uma rede nacional para facilitar o transporte aéreo de órgãos e tecidos para transplante foi renovado, nesta quinta-feira (3), e conta com novidades para ampliar e aprimorar o serviço. A partir de agora, os aviões também poderão levar medula óssea, o que é possível graças à criação de um fluxo específico de transporte, sem que o tecido precise passar pela esteira de raio-x, o que poderia deteriorá-lo. 

+ Braspress admite escassez de profissionais, mas é rígida para contratar motoristas

Além disso, o acordo passa a incluir medidas de prevenção à perda de órgãos por meio de uma logística desburocratizada, incorpora novas empresas signatárias e melhora a comunicação entre parceiros envolvidos no processo de transporte de órgãos e tecidos, bem como de equipes médicas.

A parceria, que começou em 2013, permite que uma equipe do Ministério da Saúde, acompanhe o tráfego aéreo dentro da sala do CGNA/RJ (Comando de Gerenciamento de Navegação Aérea no Rio de Janeiro), 24 horas por dia, em regime de plantão. Com isso, o órgão é alocado no voo imediato mais conveniente, evitando a perda do material, já que a comunicação é direta com os órgãos de aviação. Além disso, as aeronaves que estão prestando o serviço, feito gratuitamente, têm prioridade em pousos e decolagens.

+ IBEX: o novo operador logístico que aposta em pequenos empreendedores

Nesses dois anos, foi possível triplicar o número de voos disponíveis para transportar órgãos no Brasil e a quantidade de itens também. Entre 2012 (quando vigorava uma parceria com as empresas aéreas, sem os órgãos da aviação) e 2013 (quando o novo acordo começou), o crescimento foi de quase 90%. O número passou de 3,5 mil para 6,7 mil. Entre 2013 e 2014, o incremento foi de 18%. No ano passado, foram 7,9 mil órgãos e tecidos transportados de avião.

A renovação do documento foi assinada pelos ministros da Saúde, Marcelo Castro, e da Aviação Civil, Eliseu Padilha, durante o II Fórum de Logística do Sistema Nacional de Transplantes. Também fazem parte do acordo a Abear (Associação Brasileira das Empresas Aéreas), a Aneaa (Associação Nacional das Empresas Administradoras de Aeroportos), o Comando da Aeronáutica, a Infraero, as companhias aéreas TAM, Gol, Avianca, Azul e Passaredo, as concessionárias aeroportuárias e a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil).

+ Fique por dentro de tudo o que acontece no Transporte e na Logística pelo Facebook

COMMENTS