Governo do Espírito Santo vai pedagiar as rodovias estaduais

Primeira região oferecida à iniciativa privada será a de Colatina

5ª edição da Caravana Siga Bem termina no Espaço Villa Lobos, em São Paulo
Banco Mercedes-Benz financia 50 caminhões para Grupo Binotto
Jost utiliza ultrassom para verificação de qualidade do pino-rei

estrada espirito santo

O Governo do Estado do Espírito Santo está concluindo um estudo de viabilidade econômica para concessão das rodovias estaduais para a iniciativa privada, mas já sabe: as vias vão contar com cobrança de pedágio. A primeira região oferecida ao mercado será a de Colatina, no noroeste do estado. Em seguida estão trechos na região de Aracruz e de Cachoeiro de Itapemirim.

+ Mais da metade das rodovias brasileiras apresentam problemas para o motorista

Serão concedidos 870 quilômetros de extensão, que cortam 16 cidades. “O estudo inicial foi conduzido por uma equipe técnica do próprio Departamento de Estradas de Rodagem do Estado (DER-ES), e agora será oferecida para o mercado fazer suas contribuições”, explica o diretor-geral do DER-ES, Halpher Luigi.

Nessa fase, empresas privadas podem fazer novos estudos, aprofundando-os os iniciais, com o intuito de ratificar a viabilidade econômica e apresentarem modelos de cobrança. “Essa viabilidade é mensurada quando comprovam que o valor a ser cobrado é menor que o benefício que poderá ser oferecido para os usuários das vias”, pontua Luigi. Não há um limite de empresas que poderão contribuir com esse aprofundamento.

+ Contran decide suspender obrigatoriedade de chip rastreador de veículos

Comprovada, então, a viabilidade econômica, o DER-ES passa a autorizar as empresas a desenvolver os projetos de engenharia, que deve acontecer até o final de janeiro de 2016. Depois da apresentação dos projetos, o DER começa a fase de análise e definição dos tipos de concessão. “Nesse período, que irá até julho de 2016, serão traçados como será a forma de concessão e cobrança”, disse.

+ Fique por dentro de tudo o que acontece no Transporte e na Logística pelo Facebook

COMMENTS