45% dos passageiros do transporte aéreo brasileiro recebem entre dois e dez salários mínimos

Setor estima que, em 2034, 600 milhões de pessoas viagem de avião anualmente

Boeing firma acordo bilionário com Iran Air para fornecimento de 80 aeronaves
KLM lança novo serviço online para integrar viagens às redes sociais
Gol passa a cobrar por wi-fi

aeroporto-cumbica-passageir

A SAC (Secretaria de Aviação Civil) divulgou recentemente, por meio de uma pesquisa, que o setor aéreo está mais inclusivo, na medida em que pessoas com menor faixa salarial passam a ter mais acesso à aviação.

No estudo “O Brasil que voa – Perfil dos Passageiros, Aeroportos e Rotas do Brasil”, foi apontado que 45% dos passageiros que viajaram de avião no ano passado tinham renda familiar entre dois e dez salários mínimos. Desses passageiros, 6,1% têm renda de até dois salários mínimos, o equivalente a R$ 1.576. Outros 17,2% ganham entre dois e cinco salários e 21,7% recebem entre cinco e dez.

A expectativa é que, em 2034, 600 milhões de pessoas viagem de avião anualmente.

“O transporte aéreo está democratizado. Nós conseguiremos ver um crescimento de, no mínimo, 7% ao ano na demanda de passageiros nos próximos 20 anos”, comenta Eliseu Padilha, ministro-chefe da SAC.

Mesmo com esses números animadores o panorama não é dos melhores. A Abear (Associação Brasileira das Empresas Aéreas), a aviação deve terminar o ano com deficit de caixa superior a R$ 7,3 bilhões. Se a previsão se confirmar, o resultado seria o pior da história do setor.

COMMENTS