Empresas de transporte rodoviário de cargas apresentam defasagem de 10,14% nos fretes

Empresas de transporte rodoviário de cargas apresentam defasagem de 10,14% nos fretes

Balanço semestral da NTC&Logística apresenta entre grande diferença entre os preços praticados e os custos da atividade

Mercedes amplia presença da Alliance no Brasil para reforçar participação no mercado de reposição
Veículos com placa final 7 devem efetuar o licenciamento neste mês em SP
Entrada de caminhões no Estado do Acre é retomada parcialmente

caminhoes-rodovia-estrada

Segundo um levantamento semestral da NTC&Logística (Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística), divulgado nesta quinta-feira (6/8), as empresas transportadoras de carga do Brasil ainda continuam com uma expressiva defasagem entre os preços praticados e os custos da atividade.

Os fretes estão 10,14% abaixo dos custos efetivos das transportadoras. No fim de 2014, a defasagem era de cerca de 14%.

No primeiro trimestre de 2015 foi efetuado o reajuste dos contratos entre transportadoras e seus clientes, mas as altas ficaram abaixo do esperado pelo segmento. A entidade não faz um levantamento específico sobre os preços de frete praticados, mas mede a diferença entre a receita das empresas e uma tabela de custos.

Segundo a NTC&Logística, a desaceleração econômica tem prejudicado a demanda por fretes, impedindo maiores reajustes. As transportadoras também sentem bastante a pressão de custos em 2015, a exemplo do óleo diesel, devido a um aumento de impostos.

A NTC realiza a pesquisa há cerca de oito anos e até então nunca registrou um período de margens positivas. De acordo com o balanço 56% dos empresários do setor de transportes acreditam que a situação dos negócios vai piorar. Cerca de 80% dos entrevistados disseram não receber o pagamento dos fretes em dia.

COMMENTS