Vendas de veículos no Brasil apresentam queda de 20,6% no 1º semestre

Vendas de veículos no Brasil apresentam queda de 20,6% no 1º semestre

Com 1,31 milhões de unidades vendidas, resultado consolidado é o pior para o período desde 2007

Câmara aprova vinculação de multas ao condutor de veículo alugado
Venda de veículos apresenta melhora de 6,92% em julho
Serviço de inspeção e pós-produção automotiva da GEFCO completa um ano

caminhoes-novos-patio

De acordo com o balanço oficial divulgado pela Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores) nesta quinta-feira (2/7), as vendas de veículos novos no Brasil somaram 1,31 milhões de unidades nos seis primeiros meses do ano, o que significa uma expressiva queda de 20,68% sobre o mesmo período de 2014.

O resultado consolidado é o pior para o período desde 2007, quando 1,08 milhão de unidades foram vendidas. Entre janeiro e julho de 2014, foram vendidas 1,66 milhão de unidades.

Somente em junho, as vendas de carros, caminhões e ônibus caíram 19,36% ante o mesmo mês de 2014, a 212.535 unidades. Por segmentos, as vendas de automóveis e comerciais leves somaram 204.627 unidades no mês passado, queda de 18,35% na comparação anual. A queda nas vendas de caminhões foi mais acentuada, de 41,4%, para 6.201 unidades vendidas, enquanto as vendas de ônibus diminuíram 27,2% na mesma comparação, para 1.698.

Segundo o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Jr., o desempenho obtido é um sinal de alerta para os próximos meses do setor. “A economia está parada. A falta de confiança do consumidor é o que é pior para nós”.

Por isso, a entidade reduziu novamente sua previsão para o desempenho do setor em 2015. A retração estimada para as vendas de automóveis e comerciais leves em 2015 passou de 18% para 23%, a 2,563 milhões de unidades. Já para caminhões e ônibus, o recuo esperado passou de 37,2% para 41%, a 99.731 unidades.

Já foram cortados 12 mil empregos nas concessionárias no 1º semestre, sendo que 242 lojas foram fechadas. A previsão para o ano é de 20 mil cortes.

COMMENTS