Polícia Federal deflagra nova fase de operação contra evasão de divisas

Operação Porto Victoria, que investiga uma organização criminosa transnacional também especializada em lavagem de dinheiro

Roubo de cargas teve queda de 17% em 2019
Primeiro semestre de 2013 teve 3,7 mil roubos de carga em SP
Polícia Federal apreende aeronave que transportava eletrônicos

policia-federal-acao

A Polícia Federal informou que deflagrou na sexta-feira (24/7) uma nova fase da Operação Porto Victoria, que investiga uma organização criminosa transnacional especializada em evasão de divisas e lavagem de dinheiro.

Nesta recente etapa, foram presos dois dos principais operadores do esquema. Segundo a Polícia, um terceiro ainda é procurado.

Em apenas um ano de atuação, os presos conseguiram evadir do Brasil o montante de R$ 120 milhões. Os investigados responderão pelos crimes de evasão de divisas, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

A Polícia Federal iniciou a investigação em 2014 após solicitação da Agência Norte Americana de Imigração e Alfândega, para apuração de fatos envolvendo um brasileiro que atuaria junto a uma organização criminosa especializada em evasão de divisas e lavagem de dinheiro em diversos países, como Reino Unido, Venezuela, Estados Unidos, Brasil e Hong Kong.

Na primeira fase da Operação, ocorrida em 11/6 deste ano, foram presas 12 pessoas.

Nesta nova fase, as investigações identificaram a evasão de divisas por meio da simulação de fretes marítimos. A organização abriu empresas e contas bancárias em Hong Kong que eram abastecidas com remessas lastreadas em documentos falsos. Segundo o informativo da Polícia, promoviam a falsificação de conhecimentos de embarques marítimos apenas para justificar a remessa de valores do Brasil ao exterior. Mais uma vez, toda a operação era realizada através do sistema financeiro nacional com o auxilio de bancários cooptados pela organização.

Também foram detectadas transações por meio de um esquema conhecido como “dólar cabo”, realizadas tanto no Brasil quanto no exterior, à margem do sistema oficial de remessa de divisas. Criaram empresas de fachada em nome de laranjas apenas para recebimento de valores no Brasil e distanciamento de sua origem ilícita.

COMMENTS