TNT transporta crânio de Tiranossauro Rex dos EUA para a Alemanha

Encomenda de 690 quilos e 66 milhões de anos fez uma jornada de 7,8 mil quilômetros, em uma longa caixa de madeira de 1,9 metro

Lufthansa Cargo inicia rota entre Rio de Janeiro (RJ) e Frankfurt, na Alemanha
Gigantes da aviação atravessam o globo transportando cargas superpesadas
MAN apoia estudo sobre mobilidade urbana em todo o mundo

trex-tnt-eua

A operadora logística TNT transportou do Instituto de Pesquisa Geológica Black Hills, no Sul de Dakota (Estados Unidos), para o Instituto de Pesquisa Fraunhofer EZRT, em Fuerth (Alemanha), um crânio de um Tiranossauro Rex, pertencente ao Centro de Biodiversidade Naturalis da Holanda.

O crânio pertence a uma fêmea de 66 milhões de anos, escavado em Montana (Estados Unidos), em 2013, e adquirido pelo Naturalis em 2014. A encomenda de 690 quilos fez uma jornada de 7,8 mil quilômetros, em uma longa caixa de madeira de 1,9 metro.

A TNT transportou o crânio por uma distância de 2.785 quilômetros, de Dakota do Sul para o Aeroporto JFK, em Nova York. De lá, a encomenda seguiu em um voo para o hub aéreo em Liege (Bélgica), usando um Boeing 747, para entrega-lo de caminhão em Fuerth. O fóssil passou por um scanner de alta resolução que foi desenvolvido para proporcionar imagens de sua estrutura em 3D. O Centro de Biodiversidade Naturalis apresentará as descobertas desta pesquisa no final deste mês.

No caminho de volta, o crânio fará uma escala em Amsterdã, para um programa nacional de televisão.

A TNT irá transportar o espécime de volta para os Estados Unidos na primeira semana de junho.

“Estamos orgulhosos em apoiar o Centro de Biodiversidade Naturalis e trazer o esqueleto para a Europa”, declarou Grant Cochrane, Diretor Global de Serviços Especiais da TNT. “Para nós da TNT, temos a expertise requerida e o histórico de entregas de cargas muito especiais. Mas esta é a primeira oportunidade de lidar com um item pré-histórico com tamanho valor de pesquisa”.

O esqueleto original estará à mostra na cidade holandesa de Leiden, em setembro de 2016.

COMMENTS