Roubos de cargas ocorridos em 2014 no Brasil devem somar R$ 2,2 bi em prejuízos

Roubos de cargas ocorridos em 2014 no Brasil devem somar R$ 2,2 bi em prejuízos

Estimativa parcial da NTC&Logística aponta que do total, cerca de R$ 1 bilhão corresponde somente às mercadorias perdidas

ANTT determina procedimentos para viabilizar isenção da cobrança de eixo suspenso de caminhões
Porto de Santos (SP) encerra 1º trimestre de 2015 com novo recorde de movimentações
Argius recebe da L’Oréal o Prêmio Excelência em Transportes

roubo-cargas-pf

De acordo com dados de uma estimativa parcial divulgada pela NTC&Logística (Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística) durante o XV Seminário de Transporte Rodoviário de Cargas, realizado no dia 29/4, na Câmara dos Deputados, em Brasília (DF), as perdas decorrentes dos roubos de cargas ocorridos em 2014 em território nacional devem chegar aos R$ 2,2 bilhões.

Aproximadamente R$ 1 bilhão corresponde às mercadorias perdidas, e o restante é consequência dos caminhões que não foram recuperados. Das ocorrências, 75% foram em áreas urbanas e 25% em rodovias. Os produtos mais visados pelos criminosos são eletroeletrônicos, cigarros, alimentícios, farmacêuticos, químicos e autopeças.

O estudo também aponta que 3,2 mil veículos (22% do total) não foram encontrados. Foram, aproximadamente, 17,5 mil ocorrências no ano passado contra 15,2 mil em 2013.

A região Sudeste lidera o número de ocorrências, sendo que somente os estados de São Paulo e do Rio de Janeiro respondem por mais de 80% dos casos.

O crescimento na região fluminense é alarmante, isso porque o total de casos no Estado cresceu 10% na comparação com 2013.

“Chegamos a um ponto inaceitável. A gravidade é tal que há lugares que companhias seguradoras se negam a segurar determinadas cargas. Isso pode causar até desabastecimento de determinados produtos”, disse o presidente da NTC&Logística, José Hélio Fernandes.

O documento revela que, entre 1998 e 2014, ocorreram 262 mortes durante ações de criminosos contra caminhões de carga.

O coronel Paulo Roberto de Souza, que esteve no seminário, disse que uma das principais estratégias para enfrentar esse tipo de crime é atuar sobre quem recebe a carga. Por isso, defendeu a aprovação de projetos de lei que agravam a punição para receptadores, com aumento da pena e perda do CNPJ para empresas que comercializarem cargas roubadas.

O coronel também chamou a atenção para a necessidade de regulamentação da lei 12.977/2014, que estabelece as regras para o funcionamento de desmanches de veículos. A norma entra em vigor no dia 21 de maio deste ano, porém o Executivo ainda definiu a aplicação.

Com informações da CNT

COMMENTS