Setor de autopeças no Brasil projeta 2015 difícil com queda de 11,5% no faturamento

Setor de autopeças no Brasil projeta 2015 difícil com queda de 11,5% no faturamento

Sindipeças estipula R$ 67,9 bi de faturamento para este ano; entidade cogita volta do crescimento em 2016, quando poderá atingir cerca de R$ 70,8 bi

Fabricantes de autopeças crescem quase 14% no 1º quadrimestre do ano
Setor de autopeças indica sinais de retomada do crescimento
Déficit comercial de autopeças do Brasil chega a US$ 4,3 bi

autopecas-fabricacao-fabric

De acordo com as projeções do Sindipeças (Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores), 2015 será um ano difícil para o segmento. Isso porque a entidade reduziu bruscamente a expectativa de faturamento das associadas sobre a estimativa divulgada em janeiro, e agora está estipulada em R$ 67,9 bilhões.

A cifra anunciada corresponde a um decréscimo de 11,5% sobre os R$ 76,7 bilhões ainda estimados de 2014. Antes, esperava-se um faturamento de R$ 75,9 bilhões para este ano.

A volta do crescimento de seu faturamento está prevista para 2016, quando atingirá cerca de R$ 70,8 bilhões, o que corresponderá a uma alta de 4,2% sobre a projeção para 2015.

Aproximadamente 64% da receita de 2015 virá da participação das vendas feitas diretamente às montadoras, o que corresponde a R$ 43,4 bilhões e redução de 3,5% com 2014. Já a participação do mercado de reposição deverá apresentar elevação de 2,2 pontos porcentuais, indo de 17% em 2014 para 19,2% em 2015, o que equivale R$ 13 bilhões.

Segundo a entidade, as exportações representarão 11,8% neste ano, e para 2016 a previsão é de 12,4%. Em 2014, as vendas para outros países corresponderam a 9,5% de todo o faturamento.

COMMENTS