Metrôs e trens brasileiros somaram mais de 2,9 bilhões de deslocamentos diários em 2014

Metrôs e trens brasileiros somaram mais de 2,9 bilhões de deslocamentos diários em 2014

Estudo da ANPTrilhos afirma que resultado corresponde a um crescimento de 4,4% na comparação com 2013; 9,8 milhões de pessoas usaram metrôs ou trens diariamente

Sem acordo, pilotos e comissários de bordo entram em greve
Scania e Cargolift usam bitrens para cumprir Lei do Motorista
ANTT já flagrou mais de 4 mil caminhões sem o registro RNTRC

metro-passageiros-dentro

De acordo com um balanço da ANPTrilhos (Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos), apresentado nesta segunda-feira (6/4), foram registrados mais de 2,9 bilhões deslocamentos diários efetuados em 2014, o que significa um crescimento de 4,4% na comparação com 2013.

O estudo aponta que foram 9,8 milhões de pessoas que usaram metrôs ou trens diariamente. Os números consideram as viagens individuais realizadas pelos usuários dos sistemas.

A entidade explica que o aumento na demanda não tem respaldo de uma expansão na malha que seja capaz de efetuar o transporte de maneira plena. Segundo a superintendente da entidade, Roberta Marchesi, nos últimos anos, o número de passageiros cresceu a uma média anual de 10%, enquanto a malha expande menos de 1%.

Em 2014, entraram em fase de teste 30 quilômetros a mais de malha, que equivale a uma alta de 3% em relação a 2013. Os novos sistemas são o Monotrilho Linha 15 (SP), o Metrô Bahia (BA), e o VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) de Sobral (CE).

“Os investimentos são pequenos frente à necessidade. Além da expansão, os sistemas que já existem devem ser modernizados, para que possam oferecer mais assentos”, comenta Marchesi.

O Brasil tem 22 regiões metropolitanas com mais de um milhão de habitantes. Menos de metade delas têm redes de transporte alta capacidade implantados.

A ANPTrilhos explica que se cinco projetos novos projetos que estavam previstos para a Copa do Mundo tivessem sido concretizados, a malha brasileira teria crescido 11%. Neste caso, as ações abandonadas foram o Monotrilho de Manaus (AM), o VLT de Cuiabá (MT), o VLT de Brasília (DF), o Monotrilho Linha 17 de São Paulo (SP) e o VLT de Fortaleza (CE). Juntos, somam 79,4 quilômetros de linhas.

Além disso, existem 20 projetos já contratados ou em execução, que correspondem à construção de mais 336 quilômetros de trilhos, entre trens urbanos e regionais, metrôs, VLTs e monotrilhos. A entidade estima que as obras estejam concluídas até 2020. Há também 18 projetos de sistemas sobre trilhos prontos para sair do papel, o que com isso e as outras iniciativas previstas praticamente duplicaria a malha brasileira, que atualmente soma aproximadamente mil quilômetros.

Com informações da CNT

COMMENTS