ANP determina aditivação mínima na gasolina vendida no Brasil a partir de julho

Combustível deverá conter detergente dispersante, que auxiliará na redução de emissão de gases poluentes por conta da nova composição com menos enxofre

ANP divulga regras e aponta postos que serão obrigados a ter o S50
Exportações brasileiras de petróleo atingem alta de 56% no primeiro trimestre
Média do preço da gasolina sobe 10% nos últimos 12 meses

gasolina-combustivel-posto

A ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) determinou por meio de uma resolução que a gasolina comercializada no Brasil contenha detergente dispersante a partir do dia 1º de julho, o que significa que terá um mínimo de aditivação.

Quando entrar em vigor, o consumidor continuará podendo optar por gasolina comum ou aditivada, mas ambas terão melhor qualidade em relação ao combustível comercializado atualmente, segundo a ANP. A mudança atenderá à evolução tecnológica dos motores, além disso, o produto será menos nocivo ao meio ambiente, pois a gasolina reduzirá as emissões de gases poluentes, por conta da nova composição com menos enxofre.

O aditivo dissolve partes de parafina presentes no combustível, ou seja, serve para manter a linha de alimentação limpa – isso inclui peças como bomba, bico injetor, entre outras. Manter o motor limpo impede a perda de pressão das válvulas e ajuda a manter a potência do carro.

COMMENTS