Governo anuncia medidas para acelerar escoamento da safra

Governo anuncia medidas para acelerar escoamento da safra

Dentre as medidas previstas, destacam-se a modernização do sistema de agendamento de caminhões nos portos de Santos (SP) e Paranaguá (PR), além da utilização de 426 embarcações nas hidrovias Madeira e Tapajós

Câmara analisa MP que suspende obrigatoriedade de emplacamento de máquinas agrícolas
Brasil poderá colher safra de quase 205 milhões de toneladas em 2015
Brasil bate recorde com colheita 192,8 milhões de toneladas de grãos em 2014

safra-graos

O governo, por meio dos ministérios da Agricultura, dos Portos e dos Transportes, anunciaram ontem (13/1) medidas para evitar que o escoamento da nova safra seja prejudicado pela falta de infraestrutura e pelas filas de caminhões nos portos de Santos (SP) e Paranaguá (PR), que são as duas estruturas mais utilizadas para a exportação de grãos no País.

O plano envolve o aperfeiçoamento do sistema de agendamento que, no ano passado, ajudou a reduzir o custo do frete em 7%. Antes manual, o sistema passará a ser totalmente eletrônico. Além disso, o governo prevê o credenciamento de mais um pátio para que os caminhões aguardem autorização até ingressar nos terminais.

A ministra da agricultura, Kátia Abreu, estimou que, em 2014, houve uma economia da ordem de 70% na taxa paga às embarcações pela demora no carregamento.

Cerca de 202 milhões de toneladas de grãos estão previstas para a safra 2014/2015. Somente o complexo soja poderá ser responsável pelo embarque de 64,2 milhões de toneladas de grão e farelo.

Nas unidades portuárias do Norte, o acesso é o principal problema. Algumas vias sequer contam com asfalto, por exemplo, a BR-163. Por este motivo, o governo pretende traçar um plano de soluções paliativas, como o cascalhamento da via e a oferta de tratores para desencalhar caminhões.

O governo deverá também ampliar as áreas disponíveis no porto de Vila do Conde (PA), próximo de Belém (PA), para construção de novos terminais privados.

Também está prevista a utilização de 426 embarcações nas hidrovias Madeira e Tapajós, que compõem o corredor logístico Arco Norte, que o governo acredita ser uma das principais alternativas para reduzir a pressão sobre os portos de Santos e Paranaguá.

Com informações do Jornal do Comércio

COMMENTS