Governo anuncia aumento de tributos e inflaciona preço dos combustíveis

Governo anuncia aumento de tributos e inflaciona preço dos combustíveis

Gasolina e diesel devem subir R$ 0,22 e R$ 0,15, respectivamente; Petrobras irá acrescer valor dos impostos nas vendas das refinarias para as distribuidoras; aumento do preço nas bombas dependerá dos postos

ANP determina aditivação mínima na gasolina vendida no Brasil a partir de julho
Preço do etanol apresenta queda em 12 Estados
Preço do Diesel cai 0,032% em agosto

petrobras-logistica

A medida anunciada na segunda-feira (19/1) pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, sobre o aumento de tributos já pode ser um agravante para as perspectivas de 2015. Isso porque, para elevar a arrecadação em R$ 20,63 bilhões, o governo decidiu impor algumas mudanças, dentre elas o aumento do PIS e da Cofins (Contribuição para Financiamento da Seguridade Social) sobre os combustíveis e do retorno da Cide (Contribuição para Intervenção no Domínio Econômico).

Com isso, estima-se que o aumento conjunto dos dois tributos corresponderá a R$ 0,22 por litro da gasolina e R$ 0,15 por litro do diesel. O governo espera obter R$ 12,2 bilhões com a alta, que entrará em vigor a partir de 1º de fevereiro.

Segundo ele, as medidas anunciadas são parte do trabalho de equilíbrio fiscal que será feito em várias etapas.

Por outro lado, respondendo ao pronunciamento, a Petrobras informou que o preço líquido para a empresa na venda de combustíveis ficará inalterado. Isso significa que a estatal irá acrescentar o valor dos impostos nas vendas das refinarias para as distribuidoras. O aumento do preço nas bombas para o consumidor depende de determinação dos postos.

Independente da decisão, o consumidor fica alerta com a ideia de pagar ainda mais pelo combustível, uma vez que o preço da gasolina nas refinarias do Brasil já está quase 70% acima do preço da referência internacional do combustível, segundo cálculos do CBIE (Centro Brasileiro de Infraestrutura).

Etanol atrativo

Para o setor da cana-de-açúcar, a decisão do governo deverá tornar o etanol mais atrativo, aumentando a demanda pelo biocombustível e levando a uma safra ainda mais alcooleira.

Na temporada 2014/15, 56,8% da cana processada foi destinada para a produção do combustível. Na temporada anterior, o índice havia sido de 54,7%.

A estratégia poderá reduzir a oferta de açúcar do Brasil, que atualmente é o maior produtor e exportador mundial da commodity, na safra do centro-sul 2015/16, com colheita prevista para abril.

O etanol hidratado também poderá sofrer reajustes, pois o biocombustível tem um limite informal de preço de até 70% do valor da gasolina por render menos.

COMMENTS