Clima seco e quente ameaça desempenho da safra de soja 2014/15

Alguns locais do Mato Grosso receberam menos da metade do volume normal de chuvas previsto para janeiro

Estimativa de safra de soja no Brasil cai de 88,8 para 87 milhões de toneladas
Produção de safra 2012/2013 de grãos cresce 10,8%, segundo Conab
Máquinas agrícolas deverão ser emplacadas a partir de 2015

soja

A safra de soja 2014/15 do Brasil está parcialmente prejudicada por conta do tempo quente e seco de janeiro. As informações são da consultoria AgRural, que já estuda rever a previsão para a safra, de 95 milhões de toneladas, em fevereiro.

“Apesar da ocorrência de chuvas durante a semana, os volumes foram insuficientes para normalizar a umidade do solo em pontos do Nordeste, Centro-Oeste e Sudeste, e os prejuízos já começam a ser contabilizados”, disse a consultoria, em nota.

Partes do norte de Mato Grosso receberam menos da metade do volume normal de chuvas em janeiro, já o Rio Grande do Sul passa por um período com chuvas acima da média.

A Faeg (Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás) estima que somente a seca no Estado, que é hoje um dos principais produtores de grãos do Brasil, é capaz de prejudicar a safra em até 15%, um prejuízo em torno de R$ 1,2 bilhão.

Sem levar em consideração os efeitos da seca de janeiro no Sudeste e no Centro-Oeste, o Ministério da Agricultura prevê que haja uma produção de 9,9 milhões de toneladas de soja em Goiás na atual temporada 2014/15, o que significaria acréscimo de 10% em relação ao exercício anterior.

Com informações da Agência Reuters

COMMENTS