Caminhos de Minas conclui 0,5% do previsto em quatro anos

Programa de pavimentação de estradas de Minas Gerais entregou 41,4 quilômetros; projeto planeja asfaltar 8.122 quilômetros até 2020

Programa do governo do MS prevê restauração de mais de 800 km de rodovias
Petrobras firma acordo com concessionária para desenvolver novos tipos de pavimentos
Aeroporto de Cuiabá (MT) inicia obras de recapeamento da pista

estrada de terra-caminhos de minas-minas gerais
O programa Caminhos de Minas para pavimentação das estradas estaduais, do governo de Minas Gerais, entregou 41,4 quilômetros (0,5% do total) em quatro anos. Iniciado em junho de 2010, o projeto é de asfaltar 8.122 quilômetros em 307 municípios mineiros até 2020. Calcula-se que, para cumprir a meta, o governo precise pavimentar a mesma quantidade do que realizou, até agora, a cada 11 dias.

Dos 248 trechos planejados, 101 possuem os projetos concluídos e seis terminaram a pavimentação. Existem ainda 39 obras em andamento, oito com contrato firmado e uma em licitação. Fora os citados, restam 194 trechos (6.795 quilômetros) que não chegaram a ser licitados.

O programa PróAcesso, antecessor ao Caminho de Minas, pavimentou 5.237,6 quilômetros desde 2004. Dos quais, 1.581 foram asfaltados nos primeiros quatro anos.

Investimento

Até agora o programa gerenciado pela Secretária de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop) e executado pelo Departamento de Estradas de Rodagem do Estado de Minas Gerais (DER-MG) gastou R$ 580 milhões, divididos entre projetos de engenharia, com R$ 75 milhões e execuções de obras, com R$ 505,4 milhões.

No entanto, o montante é menor que o planejado para o investimento. Segundo informações do Portal Transparência do Estado, mais de 3 bi em créditos foram aprovados pelo governo para o Caminho de Minas no período entre 2011 e 2014.

Posição

Em nota, o Estado afirma que a soma aplicada no Caminho de Minas em um ano depende “de uma série de fatores como cronograma de obra, elaboração de projetos e medições”, e nem sempre atinge o valor orçado para o projeto.

O diretor de Infraestrutura Rodoviária do DER-MG, Marcos Frade, considerou “a execução do programa é satisfatória”. Sobre a distância entre o que foi planejado e realizado, afirmou: “Não considero atraso. O Estado tem uma capacidade de investimento que é limitada. Não fazemos 7.000 km simultaneamente. Cada etapa tem a sua vez. Eu faço o projeto, contrato e executo a obra. É uma sequência lógica”.

De acordo com o diretor, a primeira parte de elaboração dos projetos demora cerca de um ano. Após isso são realizados os licenciamentos ambientais. “Todas as etapas são demoradas, e, até iniciar a obra efetivamente, existe um trabalho muito grande. Mesmo se hoje eu tivesse 100% do recurso assegurado eu não conseguiria fazer (as obras), já que a capacidade do mercado em termos de execução é limitada”.

Com informações do Jornal O Tempo

COMMENTS