Michelin compra a empresa brasileira Sascar por R$ 1,6 bi

Francesa pretende usar tecnologia da Sascar para trazer novos serviços aos seus clientes

Fusão entre Azul e Trip é aprovada com restrições
Cade impõe meta para fusão entre Gol e Webjet
Aquisição da Webjet pela Gol é suspensa pelo Cade

michelin-itatiaia

A fabricante francesa de pneus Michelin realizou a compra da empresa brasileira de gerenciamento de frotas e rastreamento de cargas Sascar, pelo valor R$ 1,6 bi, segundo informações divulgadas pela imprensa nesta semana. Deste total, R$ 1,35 bi serão destinados à compra e outros R$ 247 milhões serão gastos para quitar as dívidas da brasileira, assumidas durante a negociação.

A transação representou o ingresso da Michelin no mercado de rastreamento de veículos do Brasil. A Sascar teve crescimento anual médio de 16% nos últimos três anos e estima-se que deva aumentar em R$ 280 milhões o faturamento da fabricante de pneus na América do Sul.

A Michelin pretende ainda usar a tecnologia de gestão de frotas e rastreamento da Sascar para proporcionar novos serviços aos seus clientes. “A Michelin irá se beneficiar da carteira de clientes e das competências técnicas da Sascar em um mercado em pleno crescimento. Dessa forma, a empresa vai acelerar o desenvolvimento de serviços a seus clientes no mundo. Consolidamos, assim, um eixo importante de crescimento para o grupo”, declarou o presidente do Grupo Michelin, Jean-Dominique Senard.

A GP Investiments era a controladora da Sascar desde 2011, quando adquiriu 56% de suas ações, sendo 46% por meio do fundo GPCPV e os 10% restantes pelo fundo da BRZ Investimentos, o asset da GP.

Somente o fundo GPCPV ganhará US$ 260 milhões pela negociação de sua parte da Sascar, um montante 2,6 vezes maior que o investido pela empresa em 2011. “Faz parte da razão de ser do fundo, que é comprar empresas para depois revender no futuro, com lucro”, afirma o copresidente da GP Investiments, Antonio Bonchristiano.

A negociação cobriu 100% da Sascar, porém, os nomes dos outros acionistas não são públicos. O fechamento do negócio ainda depende a aprovação do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica).

Com informações do jornal O Estado de S. Paulo

COMMENTS