Iveco Tector movido a GNV coleta resíduos da Copa do Mundo em Porto Alegre (RS)

Veículo a gás natural fornecido pela Iveco está sendo utilizado pela Sulgás durante a Copa do Mundo para coletar resídulos

Segunda etapa da 23ª Gincana do Caminhoneiro ocorrerá em Rio Grande (RS)
41,5% dos motoristas fiscalizados não têm certificado de verificação de cronotacógrafo, aponta Ipem-SP
Banco Mercedes-Benz registra alta de 34% no mês de janeiro

iveco-gnv-copa

A Iveco e a Sulgás (Companhia de Gás do Estado do Rio Gande do Sul), em parceria com o Departamento de Limpeza Urbana de Porto Alegre (RS), estão realizando uma ação interessante durante a Copa do Mundo no Brasil: a coleta de resíduos de dois locais ligados ao Mundial (Fifa Fan Fest e Acampamento Farroupilha) com um caminhão movido a GNV.

O veículo, um semipesado Iveco Tector 170E20 movido a GNV, vai atuar na coleta de resíduos orgânicos gerados pelos torcedores e estes resíduos serão transformados em combustível renovável.

Por meio de um processo químico relativamente simples, os resíduos recolhidos serão processados, passando por uma triagem, na qual são separados para envio à planta de produção de GNVerde instalada no município de Montenegro (RS), mantida pelo Consórcio Verde-Brasil.

Feito o processo, o resultado final é um combustível com alto poder calorífico, que abastecerá o próprio caminhão em suas operações diárias de coleta, resultando em um processo totalmente sustentável. O GNVerde (marca exclusiva da Sulgás), ou biometano, é resultado da decomposição de resíduos orgânicos, com características químicas bastante semelhantes às do gás natural, e por isso dispensa qualquer modificação ou ajuste no motor.

O Tector GNV adotado pela Sulgás emite 90% menos material particulado do que o modelo com motor Euro 5 e é capaz de reduzir em 74% a emissão de NOx. “Trata-se de uma tecnologia amplamente difundida ao redor do mundo, sobre a qual a Iveco já possui vasta experiência. No Brasil, já temos veículos em testes de longa duração desde 2012. Há longa data também atuamos com esse combustíveis em outros mercados onde o uso do GNV é uma exigência”, acrescenta Fábio Nicora, gerente de inovação e desenvolvimento de novos projetos da Iveco.

COMMENTS