Iveco Tector movido a GNV coleta resíduos da Copa do Mundo em Porto Alegre (RS)

Veículo a gás natural fornecido pela Iveco está sendo utilizado pela Sulgás durante a Copa do Mundo para coletar resídulos

Câmara dos Deputados aprova MP que propõe refinanciamento da dívida na compra de caminhões
Polícia autua oito caminhões irregulares na via Dutra, em Itatiaia (RJ)
Santos Brasil renova frota rodoviária com 21 caminhões Volkswagen

iveco-gnv-copa

A Iveco e a Sulgás (Companhia de Gás do Estado do Rio Gande do Sul), em parceria com o Departamento de Limpeza Urbana de Porto Alegre (RS), estão realizando uma ação interessante durante a Copa do Mundo no Brasil: a coleta de resíduos de dois locais ligados ao Mundial (Fifa Fan Fest e Acampamento Farroupilha) com um caminhão movido a GNV.

O veículo, um semipesado Iveco Tector 170E20 movido a GNV, vai atuar na coleta de resíduos orgânicos gerados pelos torcedores e estes resíduos serão transformados em combustível renovável.

Por meio de um processo químico relativamente simples, os resíduos recolhidos serão processados, passando por uma triagem, na qual são separados para envio à planta de produção de GNVerde instalada no município de Montenegro (RS), mantida pelo Consórcio Verde-Brasil.

Feito o processo, o resultado final é um combustível com alto poder calorífico, que abastecerá o próprio caminhão em suas operações diárias de coleta, resultando em um processo totalmente sustentável. O GNVerde (marca exclusiva da Sulgás), ou biometano, é resultado da decomposição de resíduos orgânicos, com características químicas bastante semelhantes às do gás natural, e por isso dispensa qualquer modificação ou ajuste no motor.

O Tector GNV adotado pela Sulgás emite 90% menos material particulado do que o modelo com motor Euro 5 e é capaz de reduzir em 74% a emissão de NOx. “Trata-se de uma tecnologia amplamente difundida ao redor do mundo, sobre a qual a Iveco já possui vasta experiência. No Brasil, já temos veículos em testes de longa duração desde 2012. Há longa data também atuamos com esse combustíveis em outros mercados onde o uso do GNV é uma exigência”, acrescenta Fábio Nicora, gerente de inovação e desenvolvimento de novos projetos da Iveco.

COMMENTS