Impostos brasileiros sobem mais de 3% em 10 anos

Impostos brasileiros sobem mais de 3% em 10 anos

Segundo estudo do IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação), brasileiro trabalha cinco meses somente para pagar tributos

SP ainda não cobra por eixo suspenso, diz Artesp
Porto de Santos terá volume de carga recorde este ano, diz Codesp
Preço dos combustíveis continua rota de aumento em novembro

tributos

O IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação) lançou nesta terça-feira (20/05), o estudo “Dias Trabalhados Para Pagar Tributos – 2014”. Segundo dados do instituto, o brasileiro trabalhará 151 dias, ou seja, cinco meses inteiros para pagar impostos municipais, estaduais e federais.

O estudo aponta que o brasileiro deverá destinar 41,37% de seu rendimento bruto para pagar tributos, número superior ao do ano passado que foi de 41,10%. Em comparação com 2004, houve um aumento de 3,56% na arrecadação governamental. Isso significa mais 13 dias trabalhados para cumprir as exigências dos Fiscos.

A edição deste ano do estudo do IBPT traça também um comparativo entre os dias de trabalho necessários para quitar os tributos do Brasil com dezenas de países, tanto desenvolvidos como subdesenvolvidos.  “O Brasil exige que o cidadão trabalhe mais do que os habitantes de países como a Hungria, onde são necessários 142 dias para o pagamento de impostos; a Alemanha, com 138 dias; e a Bélgica, onde a média é de 102 dias de trabalho”, afirma o presidente-executivo do IBPT, João Eloi Olenike.

Segundo Olenike, a carga tributária brasileira aproxima-se da tributação norueguesa em que o cidadão designa 154 dias de trabalho, mas, apesar da impostação similar ao do país desenvolvido, os serviços oferecidos no Brasil são inferiores. “Se incluirmos os gastos em saúde, educação e outros serviços particulares, o brasileiro destinará uma parcela ainda maior de seus rendimentos para compensar a ineficiência do governo”.

O cálculo do IBPT levou em conta tributos sobre salários e honorários (Imposto de renda e contribuições previdenciárias), impostos embutidos em produtos e serviços (PIS, COFINS, ICMS, IPI, ISS) e sobre o patrimônio (IPTU, IPVA, ITCMD, ITBI e ITR).

Também entraram no levantamento as taxas de limpeza pública, coleta de lixo, emissão de documentos, tal como as contribuições, como no caso da iluminação pública.

COMMENTS