Transportadoras economizam R$ 7 bi com reforma de pneus

Transportadoras economizam R$ 7 bi com reforma de pneus

Resultado se refere ao ano de 2013. No período, transportadoras de cargas e de passageiros realizaram um total de 9 milhões de reformas

ANTT já flagrou mais de 4 mil caminhões sem o registro RNTRC
International inaugura fábrica em Canoas (RS)
Podcast Transporta Brasil – edição 003

reforma-pneus-nova

A reforma de pneus, atividade que no Brasil envolve 1.257 empresas, vem ganhando espaço os longo dos anos, principalmente por representar significativa economia na planilha de custos das empresas de transporte. 

De acordo com dados levantados pela ABR (Associação Brasileira do Segmento de Reforma de Pneus), no ano passado, o País reformou mais de 16 milhões de pneus, entre recapagens para automóveis e para transportes de carga e passageiros. Considerando somente o setor de transporte de cargas e de passageiros, foram 9 milhões de bandagem recuperadas. Isso significa que as empresas de ambos os segmentos, juntas, economizaram aproximadamente R$ 7 bilhões.

Atualmente, quase dois terços dos pneus de caminhões e ônibus que rodam as estradas brasileiras são reformados.

“Além da economia de petróleo, sem a reforma de pneus seriam jogadas na natureza 1.630 milhões de toneladas métricas cúbicas de CO2”, afirma o dirigente da ABR Roberto de Oliveira. “Nossa atividade não é poluidora. Os resíduos sólidos são reciclados em cargas para o segmento de produtos de borracha; já os pneus inservíveis são destinados para os pontos de coleta que os encaminham para as cimenteiras, para fabricação de solados, na composição de artefatos de borracha e em asfalto ecológico”.

Com a geração de mais de 40 mil postos de trabalho diretos, a atividade está consolidada no Brasil, um exemplo disso é a fabricação nacional das bandas pré-moldadas e camelback, bem como a maioria dos insumos para produção destes componentes, que hoje abrange mais de 90% do mercado.

Para entender um pouco mais sobre a reforma de pneus, acesse este link.

COMMENTS