Cerca de 30% da verba reservada para o transporte não foi investida no ano passado

Cerca de 30% da verba reservada para o transporte não foi investida no ano passado

Dos R$ 15,4 bilhões que o governo federal separou para aplicar em transporte, somente R$ 10,4 bilhões foram utilizados

Brasil Kirin aposta na cabotagem para reduzir custos de transporte
VLI cria nova rota para escoamento de soja para o Porto de Itaqui (MA)
Movimentação do setor portuário nacional cresceu 2,9% em 2013

pavimentacao-rodovia-acre

A Sondagem Econômica, pesquisa divulgada pela CNT (Confederação Nacional do Transporte) nesta segunda-feira (24/3) apontou que, dos R$ 15,4 bilhões que o governo federal separou para aplicar em transporte, R$ 10,4 bilhões foram pagos, o que inclui restos a pagar de anos anteriores.

A quantia consolidada revela que 32% dos recursos disponíveis não foram investidos no ano passado.

Também foi constatado que 94,8% dos mais de 500 empresários do transporte de passageiros e de cargas que participaram da pesquisa desconheciam o volume de recursos. De acordo com o portal do Senado que compila dados do Orçamento Federal, estão autorizados R$ 15,7 bilhões para investimento em infraestrutura de transportes em 2014.

Ao serem informados do montante, 89,3% dos empresários disseram não acreditar na capacidade do Governo Federal de realizar todos os investimentos até o final deste ano. Para seis em cada dez empresários, o principal motivo para isso é a falta de planejamento.

Para 41,7% dos rodoviários, o principal para o segmento é melhorar a qualidade das rodovias. Outros 26,9% citam a redução da carga tributária e 10% a desoneração do combustível. Outros 21,4% acham que outras medidas são necessárias.

No caso do aquaviário, 28,3% dos empresários pedem menos burocracia para operar nos portos e terminais; 24,5% citam a redução da carga tributária e a melhoria na acessibilidade para os portos é mais relevante para 17%.

Entre os transportadores ferroviários, 80% reivindicam a aplicação dos recursos provenientes dos arrendamentos pagos pelas concessionárias no próprio setor e 20% melhoria na acessibilidade aos portos.

Com informações da Agência CNT

COMMENTS