Supersafra de grãos poderá aumentar frete em cerca de 10%

Supersafra de grãos poderá aumentar frete em cerca de 10%

Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) estima que colhidas 196,7 milhões de toneladas de grãos nesta nova safra; caso número seja consolidado, poderão faltar caminhões para o transporte

Iveco vende 158 Stralis para o Grupo Bom Futuro
Brasil bate recorde com colheita 192,8 milhões de toneladas de grãos em 2014
Estimativa de safra de soja no Brasil cai de 88,8 para 87 milhões de toneladas

transporte-graos-caminhao

De olho na supersafra de soja que está por vir, transportadores de grãos do Brasil contam com um acréscimo de 10% no frete no pico da safra, nos meses de fevereiro e março.

A Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) afirmou em última estimativa que poderão ser colhidas 196,7 milhões de toneladas de grãos nesta nova safra. O volume representaria um crescimento de 5,2% em relação à anterior, sendo que a quantidade mais expressiva ficará por conta da soja (10,8%), que representa quase metade da produção: 90,3 milhões de toneladas.

Hoje, transportar grãos de Rondonópolis (MT) a Santos (SP) custa R$ 180 a tonelada. Estima-se que a operação realizada no mesmo trajeto chegue a R$ 240, no pico da safra.

Para Geasi Oliveira de Souza, superintendente do Setcamar (Sindicato das Empresas de Transporte de Carga de Maringá), o aumento pode ocorrer caso falte caminhões. Segundo Souza, o transporte de grãos vive um momento delicado por conta das transportadoras, que se endividaram comprando muitos caminhões com recursos do BNDES. O superintendente acredita que se a safra não corresponder, o problema será grande, pois as companhias não deveriam depender de apenas de um segmento da economia.

Além da soja, outros grãos representarão números expressivos nesta nova safra, como é o caso do milho, com estimativa de produção de quase 79 milhões de toneladas. Um dos grãos cuja produção mais deve crescer é o trigo, com avanço de 24,9% para 5,5 milhões de toneladas, graças à expansão da área plantada.

desperdicio-soja-perdaPerdas típicas

Tendo em vista o alto número de toneladas que deverão ser transportadas, vale ressaltar a estrutura deficiente de transporte do País, que mais uma vez trará dor de cabeça para toda a cadeia produtiva. Com 63% das operações, a precária rede rodoviária ainda domina o segmento e cobre as longas distâncias, enquanto as ferrovias operam somente em trechos curtos.

Por conta da ineficiente infraestutura para o transporte, o País vem perdendo cada vez mais a cada recorde de safra. O Banco Mundial estima que o custo da ineficiência do transporte no Brasil equivale a 6% do PIB (Produto Interno Bruto) por ano, o que significa cerca de R$ 250 bilhões, sendo que 5% dessa conta sai do bolso dos agricultores.

O produtor de soja do Mato Grosso estima perder 40% do valor bruto de sua atividade para escoar o grão até os portos das regiões Sul e Sudeste.

COMMENTS